Conselhos sobre caras para uma adolescente

Precisamos falar sobre isso: comportamento adolescente. Família Opinião. ... Se os dois forem capazes de estabelecer esse combinado, uma enorme avenida se abre para o diálogo e todo mundo ganha. ... Nunca li tantos conselhos ruins juntos. Com essa receita, ocê vai criar um bandidinho, não um bom ser humano para viver na sociedade. ... E visto isso, queria revelar que eu era uma adolescente nos anos 00 e é sobre isso que quero falar para a recente juventude que frequenta esta rede social. Quando os anos 00 chegaram, eu tinha 11 ... Ser adolescente não é fácil. Esse período de extrema falta de identidade e diversas lutas para sermos aceitos é desgastante, diz muito pouco sobre nós e bastante sobre o que não sabemos. Eu sei bem disso. Não fui o adolescente exemplo. Acho que nem existe isso, já que é uma guerra de extremos. Ou se é popular e aceito, ou se é nerd ... Para ser uma boa atriz, é preciso ser capaz de falar claramente. ... Sonhe grande, mas começar pequeno. Como uma atriz adolescente, não vá à procura de pedaços grandes de uma só vez. ... datando o conselho amar a si mesmo como começar amor e relacionamentos conselhos sobre relacionamentos datando pontas para aprender a amar a mim mesmo ... Para a blogueira, a filha Giovanna, a 'Gigi', de 14 anos, é uma fonte ilimitada de inspiração: 'Uma vez, quando criança, ela me perguntou sobre aborto e eu expliquei, até que ela retrucou querendo entender por que só o pai podia colocar o bebê na mãe. O que os caras gostam em uma garota? Se você quer que um cara veja você como alguém com quem ele poderia namorar, você precisa se mostrar de uma forma que o faça notar. Aqui estão as qualidades que você deve enfatizar sobre você para pegar um cara. Então, o que os caras gostam? Nós temos as respostas. # 1 Um ótimo sorriso. Os diálogos são bem estruturados e a personalidade de cada personagem é bem trabalhada. Porém, em minha opinião, as situações vividas por eles são típicas de garotos e garotas mais jovens. Inclusive o título “Confusões e indecisões de uma adolescente”, leva a pensar que a história diz respeito a uma menina mais nova. No decorrer do filme Boca se apaixona por Priscila e resolve se declarar depois de ouvir conselhos de uma prostituta, ele manda flores com bilhetes, faz uma projeção na parede do prédio dela e por fim faz uma serenata. 2-Ela e os caras. Sinopse: Sydney (Amanda Bynes) acaba de entrar para a faculdade e precisa encontrar um lugar para morar ... Conselhos são maneiras de demonstrar seu amor e seu apoio por meio de ensinamentos de vida. Dê o empurrãozinho necessário para quem você ama: aconselhe! Listar todos os detalhes sobre o adolescente. Antes de desenhar qualquer pouquinho de informações sobre seu filho adolescente sobre o modelo de currículo, você quer fazer uma lista ou esquema para servir como um guia para escrever um currículo.

Meus pais acham que eu sou gay

2020.07.29 20:42 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

(Postei primeiro no desabafos, mas resolvi postar aqui também)
O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.
Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.
A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.
A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha
Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to sexualidade [link] [comments]


2020.07.29 20:24 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.

Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.

A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.

A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha

Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to desabafos [link] [comments]


2020.07.13 04:50 oh_shit___ Apenas eu.

Contexto: acabei de me cobrir na minha cama, estava pensando um pouco sobre mim, e resolvi pela primeira vez compartilhar meu eu verdadeiro. Não com um parente, não com um amigo, mas com vocês, o melhor lugar da internet.
Eu sou heterossexual, pagão, branco, classe média, fora de minorias, gosto de humor negro, e sou de menor.
(Nesse post, por mais que confuso, estarão alguns pensamentos e opiniões, me desculpe por qualquer erro.)
1° Tópico: Eu sempre me senti avançado, mas não no sentido de narcisismo, mas sim mentalmente, eu só tenho amigos mais velhos, e meus únicos amigos mais novos me dão nos nervos.
É, eu me sinto com pensamentos mais formados e opiniões mais fortes que a maioria dos amigos da minha idade. (Estou fazendo o E.F II, sim, sou novo.) A maioria dos meus amigos tem 15, 16, 18 anos, e eu não me sinto mal por isso, como converso virtualmente, eles não me julgam pela idade nem pela voz, e sim pelo meu jeito, e eu me sinto como eles, tenho conversas muito melhores com eles do que com meus amigos reais, me sinto muito mais acolhido do que com meus amigos reais, em resumo, me sinto melhor com eles, e eles não me vêem como um problema, eles me falam que sou diferente e gente fina, e eu fico feliz. Meus amigos reais me dão nos nervos, eles não usam muito a lógica, e não dá pra ter uma discussão sobre um assunto sério sem eles começarem a rir, e isso me deixa MUITO puto, eu não consigo ter experiências de vida compartilhadas, pq sempre tem um hihihi hahaha no meio, vai tomar no cu.
2° Tópico: Eu não entendo as pessoas de minoria.
POR FAVOR, NÃO ME ACUSEM ANTES DE EU ME EXPLICAR. Não é que eu não entenda que eles sofrem ou que morrem mais que os "brancos classe média", eu sei disso tudo, mas não entendo o que tem de diferente entre um gay, trans, pan e as outras 7162286227 sexualidades e um homem/mulher hétero, não entendo o que um negro tem de diferente entre um branco, e com isso, entramos em um sub tópico,
POR QUE A COTA? Eu me pergunto desde que me entendo por gente, com mais de 5 neurônios, pq a cota? A cota étnica, como nas universidades, só demonstra que nós somos mais racistas ainda, pois, se um negro é igual um branco, se todos tem os mesmos direitos e deveres, pq eles tem que entrar sem esforço? Por acaso você, leitor, que apoia a cota, acha que os negros são menos capacitados que os brancos? (Fim de tópico com pergunta pq sim)
(Voltando ao tópico 2), eu fico puto mano, o que tem de diferente para eles quiserem mais direitos que nós, os "padrões"?
(PS: não generalizo, sei que deve ter algum de minoria que concorda com o meu pensamento branco hétero, ou não.)
3° Tópico: Alguns adultos são burros, muito burros.
Eles se acham fodas, acham que os de menor não tem problemas, "você não paga conta", "você não trabalha", essas frases são comuns para muitos jovens que sofrem com alguma coisa, e eu fico puto. Na época deles, era só acordar, ir pra escola, voltar, brincar e ir dormir, mas hoje em dia, com essa toda tecnologia, as informações chegam igual gozo na cara de puta, muito rápido e sem preparação, por isso, muitos adolescentes tem os piores problemas, os psicológicos, e os adultos estão pouco se fodendo para isso, o que é preocupante. Se por acaso algum leitor desse post for adulto e pensar da mesma forma que aquelas frases ali em cima, abra a sua mente irmão, nós passamos por fases difíceis também, e se você, pai, mãe, não der o apoio pro seu filho, ele vai só piorar.
Agora, apenas um conselho, que talvez muitos vão ignorar, até pq eu devo parecer um pirralho aleatório, mas prós que prestarem atenção:
Por favor, saibam dosar. Não é a história de "pouco celular", não! É até bom que vocês saibam no que o mundo está se tornando e o quão podre ele é. Mas saibam dosar o esforço físico e mental, saibam priorizar a sua saúde mental em quase qualquer circunstância, se está se sentindo sufocado, de um tempo, mas por favor, se amem, e se mantenham felizes e saudáveis,
Um abraço,
Eu
submitted by oh_shit___ to desabafos [link] [comments]


2020.06.28 12:39 NayhAlmeida Sou babaca por não contar para minha família que estou a um ano morando fora do Brasil?

Olá galera, criei essa conta só para contar essa história. Desculpe os erros de português,estou muito nervosa e me sinto muito estranha contando isso.
Me chamo Nay, mas vou preservar minha família dessa exposição então não usarei os nomes deles. Nasci de uma gravidez indesejada, não convivo com meu pai e minha mãe me deixou com minha avó para viver com meu padrasto, pois na época ele exigiu que eu não existisse entre os dois, então eu morava com minha avó, meu avô, meu bisavô João e meu tio. Minha família é muito conservadora, é de interior de Minas e é muito fervorosa religiosamente, com isso eles sentiram muita raiva da minha mãe com isso tudo, na época meu tio tinha 15 anos e era o prodígio da família, pois iria ser padre, e meus avós faziam de tudo por ele até eu nascer e tomar toda essa atenção e cuidados, meu tio ficou muito irritado alguns primos falam que ele falava que eu estava dormindo quando pequena só para que as amigas da minha avó não fosse me visitar, o tempo passa eu já com 12 anos e meu tio foi "rejeitado" na escola dominical com decidiu fazer faculdade, mas meu bisavô decidiu em vez de ajudar ele nos custos e essas coisas, que teria prometido antes, ele me colocou em um Colégio particular bom da minha cidade, pagar cursos de pintura (que amo) e essas coisas, meu tio ficou com muita raiva de mim e quando todos não viam ele me batia e fazia com que tudo de errado da casa caísse sobre mim, exemplo quem quebrou isso? Deve ter sido a Nay, minha avó não gostava das minhas atitudes já que eu não ia a igreja com ela, detestava rezar o terço e isso piorava com o que meu tio fazia, meu bisavô morreu quando tinha 12 anos e então esse ano foi péssimo entrei em depressão, todos me acusavam de não dar valor o que meu bisavô fazia, por conta de não ir com ele na igreja, enfim repeti na escola por faltar, pois nem a aula queria ir emagreci, tentei coisas contra minha vida, mas minha avó achava isso frescura de adolescente querendo aparecer. Daí pra frente minha vida foi um inferno, comecei a trabalhar em um emprego de meio expediente depois das aulas, minha avó começou a exigir que eu pagasse contas da casa para ajudar, mas com tempo ela começou a exigir que eu pagasse a estadia, que se eu morasse ou estivesse em hotéis eu estaria pagando mais. Então eu pagava tudo com contas equivalentes que minha avo fazia, tipo conta 300 dividia por moradores e eu pagava minha parte.
Nota: ate meus 15 anos.
A mãe de uma amiga minha ficou mal com aquela situação que eu passava e perguntou se eu queria morar com ela em Belo Horizonte, juntei meu dinheiro e fui, minha família deu graças por não ter esse peso, meu tio na época morava sozinho com seu amigo no rio de janeiro já estava formado na faculdade e trabalhava lá.
Passada uma semana que estava em BH fiquei sabendo que a cidade toda estava de fofocas, principalmente nos eventos da igreja que minha avó ajudava, sobre minha família ter me "expulsado de casa", pois era assim que eles pensavam, fofoca ne, então minha avó começou a me ligar pedindo pra que voltasse que tudo iria mudar, mas eu já estava bem, trabalhava meio período, estudava e adorava ter paz quando chegasse em casa, minha avó começou a me chantagear falando que se eu não voltasse ela iria morrer e dramas dessa forma, que estava mal por não estar comigo. Então numa tentativa desesperada minha avó fingiu estar mal e pediu o médico que a internasse no hospital para fazer exames, já que ela estava muito mal, sim na minha cidade alguns médicos fazem TUDO que você pede se pagar. Então nessa hora meu tio me liga dizendo que se eu matasse minha avó ele iria ate no inferno me buscar, fez um escândalo com a mãe da minha amiga dizendo que eu fugi de casa, publicou isso em todas as redes sociais com minha foto, falando que eu era a pior pessoa do mundo pra minha família que minha avó estava doente por conta minha, detalhe que naquela época eu tinha no meu Facebook meu chefe e amigas de trabalho, então fui demitida em uma conversa estranha sobre eu ser uma pessoa melhor e voltar pra minha família, chorei muito e voltei. Quando cheguei minha avó estava em casa com a cara mais plena do mundo, falou que não sabia que meu tio fez aquilo, que ela não pediu isso e que ela nem estava tão mal assim, que não tinha culpa e eu voltei por quis, dai pra frente no natal e reuniões de família eu evitava meu tio, minha avó vê meu tio como o menino de ouro dela que nunca a decepcionou então para ela meu tio fez certo. Dai até os meus 18 anos trabalhei e estudei, pagava a minha moradia e não tinha amigos, pois para minha avó ninguém tem amigos e que amigo é só Deus, que todos me invejavam e essas coisas então minha avó arruinava minhas amizades falando e fazendo coisas e depois fingindo que não fez. Chamava minhas amigas de vagabundas quando eu não estava em casa para não me chamarem que eu não ia sair com aquele tipo de gente.
Então com 18 anos conheci meu ex ele morava em outra cidade no caso uma cidade universitária, ele estudava lá, mas ele nasceu na mesma cidade que eu então a gente se conheceu por isso, expliquei para ele como era minha família porque sei que não é fácil pensar isso deles já que são muito ligados a igreja e a família dele também, vou pular uma parte longa do começo do nosso namoro até ele descobrir os podres da minha avó pois não é o foco, enfim eu fui fazer faculdade na mesma cidade que ele, consegui auxilio alimentação da universidade e moradia então morava no campus e comia lá, era bem puxado pois fazia matemática e dividia quarto com mais 3 pessoas que nem conhecia, mas era necessário eu queria ter paz na vida, eu não entrei na faculdade por querer algo como me qualificar eu só queria sair de casa, minha família ficou orgulhosa por vários motivos, primeiro que meu ex era de "boa família", segundo que eu estava fazendo faculdade federal e então estava tudo ótimo para eles certo? Errado eles me cobravam constantemente pra terminar meu curso, quem é de exatas entende o quão tenso é você decorar 1 milhão de fórmulas e na hora da prova não saber qual é a primeira que irá usar e o branco vir, então no começo a adaptação é tensa, cobrava que eu casasse com meu ex no caso já estavamos com 2 anos de namoro e morávamos juntos nessa época, mas como disse eu e ele não ligavamos pra eles, eles me mandavam dinheiro através da conta do meu ex para que eu possa comer algo, era bem pouco mas ajudava sim não posso negar, pois comprava pão e leite, eu já ia para casa só nas férias e minha família continuava querer cobrar minha estadia quando ia, exemplo: você ficou 10 dias, então com a luz, água e x o valor fica xx, eu achava isso um absurdo, pois eu ia só para visitar minha família (obs.: minha mãe separou do meu padrasto e teve minha irmã com isso as duas foram morar com meus avós, então eu ia para ver ela) Mas com o tempo passei a ir só no natal e voltava antes do ano novo, então não dava tempo de se meterem na minha vida, o tempo passou e meu namoro já tinha virado mais amizade que amor, então decidimos separar, mas não falamos para minha família logo, ja que na visão da minha avó eu não consigo me virar sozinha sem meu ex, e nenhum homem será bom que nem ele, então mantivemos essa mentira por um tempo e quando contei minha família achou que seria uma fase e que a gente voltaria logo, sendo que já tínhamos superado e já tínhamos ficado com outras pessoas, passa o tempo e em 2019 decidi que iria viajar, queria a muito tempo, mas meu ex não programava falava sempre um dia e um dia, mas acabava que nunca chegava esse dia, então decidi mesmo que minha família brigue por viajar sozinha eu iria, tinha juntando dinheiro e queria viajar para fora do Brasil. Em outubro de 2019 eu conheci meu atual pelas redes socias, iria viajar no ano novo decidi que seria para Portugal e então comecei a olhar as coisas do país, onde ficar e com isso acabei falando com ele, ficamos íntimos muito rápido e na primeira semana falávamos de tudo um com outro, conversa vai e vem e eu decidi que iríamos nos ver assim que eu chegasse. Mas com o tempo essa paixonite ficou mais séria e eu e ele só pensavamos o que fazer quando eu voltasse pro Brasil e ficasse longe, porque pra mim uma viagem dessa seria de 5 em 5 anos, e ele é militar acaba que não tem tempo também para viajar, então decidimos com ele que eu iria ficar lá com ele (não foi assim do nada foi pensado e seria um teste se desse errado eu voltava), mas sim faltava 3 meses para isso, então eu arrumei as coisas, resolvi questões já que morava sozinha então tinha coisas a fazer e resolvi que faltando 1 semana pra ir eu iria para minha cidade falar com minha família sobre isso, pois não daria tempo deles tentarem arruinar esse meu desejo e eu queria que fosse algo leve que eu explicasse que eu teria dinheiro e se eu quisesse voltar eu voltava, mas quando cheguei em casa a minha avó mandou eu fazer comida, pois não tinha comida para mim lá e que eu podia fazer mas reclamou e reclamou que eu não estava com meu ex e falava pra eu dar orgulho para ela, eu travei e não consegui falar, enfim viajei, pedi conselhos ao meu ex, pois ele mais que nunca sabia como era isso tudo e ele disse que assim que eu arrumasse emprego em Portugal, mostrasse que estava aqui, explicava tudo e falava que estava bem e trabalhando e no caso até poderia mandar dinheiro pra ajudar eles (algo que eles iriam ficar "orgulhosos"). Mas o destino meus amigos, o coronga entrou em ação quase 1 mês depois que estava aqui e ficou impossível de conseguir emprego, minha avó começou a não gostar deu estar sozinha no Brasil e então comecei a mentir falando que estava com amigas e que estava bem, meu tio começou a jogar umas indiretas sobre eu não estar em casa já que eu não fazia mais vídeos chamadas com minha avó, e minha avó falava em voltar sempre com meu ex, eu não consegui falar, pensei que conseguiria ficar com visto de trabalho e que com isso eles não poderiam sei la fazer algo para que eu voltasse para o Brasil, fora que meus sogros já acham estranho essa história de se conhecer pela internet do meu namorado e eu, então pensava que meu tio poderia achar nas minhas redes sócias meu sogro e inventar coisas e piorar meu relacionamento com eles, eu sou extremamente feliz com meu namorado, não sinto o peso da família sobre isso, podemos fazer o que quiser, voltei com meus cachos coisa que minha família detestava e nunca deixava que eu voltasse, ele me apoia e sinto que foi a melhor coisa que fiz é ter dado essa chance pra nós dois. Minha avó detestou que voltasse que os meu cachos mas meu namorado me apoio muito nisso. Minha avó gravou um áudio chorando falando que estraguei meu cabelo que minha mãe e ela viram meu cabelo na foto de perfil do whats que a mesma daqui e que estou péssima devo estar louca terminei meu namoro e agora isso que só faço desgosto e coisas do tipo, respondi com: eu estou linda me amo assim lide com isso. Minha avó de vez em quando manda dinheiro pra mim como presente, ja disse que não preciso, pois vejo que assim ela acha que eu tenho obrigações com ela, mas ela mansa pois sabe minha conta do banco e sempre me convence fala do a compra uma blusinha pra você e talz foi fulana que mandou (no caso fala que o dinheiro é presente de primos, madrinhas meu avô). Em Dezembro desse ano ira fazer um ano que vou estar aqui, pensei que em novembro poderia falar com minha família que iria viajar em Dezembro e fingir que esse meu 1 ano não existiu já que quase não fiz nada aqui por conta do coronga e até lá eu iria tentar me regularizar no país, então não teria a possibilidade deles fazerem algo contra, ao mesmo tempo tenho vontade de falar que já estou aqui quando eles me ligam e tirar esse peso, mas sei que as consequências podem ser muito piores e já que eu aguentei ate agora eu aguento até dezembro. Minha avo me liga regulamente e não sabe do meu atual relacionamento fico mal, mesmo sabendo que se eu apresentar meu atual ela não ira gostar dele da mesma forma que meu ex, por conta dela exigir essa coisa de boa família, eu queria que ela visse o quanto ele me faz bem e como sou muito mais muito feliz com ele.
Eae gente sou babaca de não falar que estou aqui em Portugal para minha avó e família?
Ps.: é irrelevante, mas meu tio é gay, esse amigo dele é marido dele, ele "esconde" isso da minha família, eles tem casa juntos, compraram carro juntos, tem dois dogs juntos, mas contam para todos que são amigos,quando outros familiares falam que acham isso estranho minha avó e minha mãe, ameaçam todos falando que é difamação e que eles vão ter que provar judicialmente. Para minha família isso seria algo horrível, não gosto do meu tio acho ele falso e dissimulado, mas fico mal por minha avó não aceitar ele e mesmo eu sendo heterossexual tenho amigos gays, bi etc... e minha avó não aceita o fato de ter "colegas" (já que pra ela não tenho amigas) bi e lésbicas, pois vão pensar mal de mim e elas só querem me levar para esse caminho do mal.
submitted by NayhAlmeida to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.24 05:05 saraharend SOU BABACA POR TERMINAR TUDO POR CAUSA DE UMA CONTA DA NETFLIX?

Olá editores, gatas, possível convidado, Luba e turma que está a ver. Deixo minhas saudações aos finados bonecos de papelão e à esplêndida barba que o Luba vai cortar (tomara que não rs). 🖖🏻
No momento em que conto ela ainda está acontecendo... (contei essa história pro Maicon mas ele cagou então venho contar para os meus irmãos turmênicos no purgatório da turma).
Sou uma garota hétero cis branca de 16 anos, moro no RS e faço CrossFit, começa por aí.
Eu estava em uma bela noite reclamando que ninguém se interessava por mim quando um cara (que vamos chamar de Carls) me mandou mensagem no Instagram puxando assunto, dizendo que me conhecia do CrossFit e tals. Eu já tinha visto o Carls algumas vezes mas nunca dei bola porque né!
Nós começamos a trocar ideia e ele perguntou se eu me interessava por caras mais velhos (ele me contou que tinha 24 e que estava de olho em mim fazia um tempo), eu dei uma enrolada nele e acabei com o papo ali.
Eu e minha mãe somos melhores amigas, assim conto tudo pra ela. Falei pra ela desse cara do CrossFit e que ele queria me conhecer melhor, ela disse que não tinha nada a ver ele ser mais velho já que o que importa é a mentalidade/maturidade (meu pai é 8 anos mais velho que minha mãe, eles são separados e moro com minha mãe, meu padrasto que considero mais pai que o meu próprio pai, e minhas duas irmãs).
Então começamos a conversar frequentemente e fomos nos aproximando mais. Carls me contou que estava procurando emprego e como conto tudo para minha mãe, ela já estava considerando contratar ele para trabalhar com ela no escritório (ela precisava para poder dar conta dos dois empregos). Então assim foi...
Detalhe: minha mãe trabalha de home office.
Carls me agradeceu muito e continuamos normal, só que agora iríamos nos ver todo dia.
Eu sou uma pessoa um pouco tímida, então sempre fugia dele quando ele tentava me abraçar e tals, ele sempre vinha atrás de mim. Ele nunca me falou muito da vida dele, mas eu pensei que por ele ter sofrido muito na vida (pelo o que ele me contou) relevei...
Assim acabamos ficando escondido, só com minha mãe sabendo (pra ser sincera não gostei muito, porque na hora no beijo ele bateu minha cabeça na parede).
Carls sempre me perguntava se eu queria namorar com ele e eu dizia que não, pois logo eu iria fazer intercâmbio e não sabíamos se ia dar certo um relacionamento à distância.
Ele era bem fofo comigo até! Como tinha carro, minha mãe pedia pra ele me levar pra cima e pra baixo, ele até me buscava na escola. Já me deu uma rosa branca e tudo mais.
Meu padrasto e minhas irmãs gostavam muito do Carls e alguns familiares já conheciam ele.
Quando começou a quarentena ele veio “morar” na minha casa, já que como minha mãe precisava muito dele para o trabalho ele poderia trazer o vírus pra nós se ficasse indo e voltando toda hora.
Assim ficamos BEM mais próximos... estávamos praticamente namorando! Eu e Carls sempre nos pegávamos escondido e víamos filme à noite (Nunca passou disso).
Mas aí que começa a desilusão...
Ele passou mais ou menos 1 mês aqui e sempre vi que ele usava a conta da Netflix de um amigo. Eu ria das séries que tinha nos assistidos porque eram bem de romance de menininha adolescente e outras que não condiziam com o tal do amigo.
Só que chegou um momento que minha mãe estava me contando que ouviu ele comentar da ex dele para ela. Ele terminou com a ex só porque tinha que se mudar pra cá (ele era do Rio). E mais outras coisas que ela me contou que demonstravam que ele estava mal resolvido com a ex... Uma hora ela soltou um nome muito familiar para mim e percebi que era o mesmo nome do “amigo” da Netflix.
Resumindo:
CARLS USAVA A CONTA DA NETFLIX DA EX PARA NÓS DOIS ASSISTIRMOS
Fiquei puta quando me dei conta e comecei a ser grossa com ele e cortar as asinhas quando ele vinha para perto de mim. Porque fala sério né!?
Tem gente que não gosta, mas eu preferia que ele tivesse me contado a situação com a ex antes...
Comecei a estudar para o vestibular de inverno, então passava o dia todo trancada no quarto e não falava mais com ele. A situação começou a ficar chata e ele perguntou o que estava errado, falei tudo e disse que podia ser nova mas não era nenhum tipo de idiota ou trouxa para ele agir daquela maneira. Ele pediu desculpas e falei que estava de boa, mas para mim, qualquer tipo de “relação” que tínhamos morreu. Assim ele inventou uma desculpa e voltou pra casa dele.
Mal estávamos nos falando, mas eu agia normal e íamos juntos pro treino...
Passou um tempo e minha mãe (minha fiel cúmplice) me contou que ele tinha pedido para falar com meu padrasto.
Nessa altura minha mãe tinha contado para o meu padrasto apenas que ele estava gostando de mim, mas nada além.
Carls queria conversar com meu padrasto porque precisava de conselhos. No final das contas, achávamos que ele conversaria sobre mim só que na verdade ele falou que estava saindo com uma garota chamada Farls (que eu conhecia do CrossFit também) e que gostava muito dela, ele também queria namorar ela...??????
Ele até levou ela para a nossa igreja, tipo mostrando pra todos que eles tinham algo (depois que nos conhecemos ele começou a ir na mesma igreja que nós)
Ela tem a mesma idade que ele e a mãe da minha amiga faz a sobrancelha dela, e quando a mãe dela perguntou se eles tinham algo (elas viram eles na igreja), ela disse que ele era o namorado dela e que ele era maravilhoso com ela. (Att: Descobri mais tarde que minha amiga mentiu porque é invejosa e queria me ver com raiva dele, não teve nenhuma conversa desse tipo).
Carls nunca me falou nada sobre e foi muito do nada, nós tínhamos uma amizade sabe?
Apesar de eu não gostar mais dele, me incomodo com a situação porque provavelmente ele já falava com ela enquanto estava comigo e tenho que conviver com ela a partir de agora. (Att: tive que ir em uma noite de filmes e os dois ficaram abraçados o tempo todo, SUPER DESCONFORTÁVEL. Além disso, ele me deu uma rosa e levou pra ela um buquê de rosas de dia dos namorados).
Meu padrasto perguntou se eles estavam namorando e ele negou até a morte. (???)
Fiquei chocada porque ele falava que queria casar comigo e que gostava muito mesmo de mim.
Mas pra ser sincera nunca gostei dele de verdade, por isso não fiquei tão chateada.
Além do mais, não ia ficar sendo feita de trouxa...
Fui usada, ele se saiu bem porque ganhou um emprego promissor, um passatempo e uma nova namorada.
Sei que me livrei de incomodação e fico feliz que não tenha dado em nada mesmo!
Você acha que fui babaca por ficar brava por causa de uma conta da Netflix?
O que faria/como agiria se fosse eu?
Quem é o babaca da história?
BAH amo vocês 💙🧡
submitted by saraharend to TurmaFeira [link] [comments]


2020.04.10 08:37 Pomiwl Ninguém Precisa Saber Capítulo 2

II. MUITA COISA MUDOU
A luz da lua banhava, junto das milhares de estrelas que a acompanhavam numa imensidão negra, a copa das árvores da Floresta de Mouneet. Deslizando morro abaixo, por entre árvores e arbustos, uma vasta clareira expandia-se ao centro do local. Diana observava o céu — aquele grande poço de tinta escura, manchado apenas por pintas pontilhadas, com o tom de branco tão puro quanto as asas de um anjo. Algumas nuvens cinzentas voavam acima de sua cabeça, acompanhadas de corujas e corvos que encontravam seu caminho de volta para casa. Era a hora dos predadores atacarem. E, mesmo assim, parecia mais bela do que nunca. A garota tornou a folhear a caderneta que segurava em suas mãos. Apoiava suas costas em uma das pedras que espalhavam-se pela clareira, com tamanhos que variavam com constância. Não era confortável, afinal; mas era o que a natureza a disponibilizara no momento. Estava lá, sozinha, sem rumo, sem caminho. Sem qualquer guia, apenas as estrelas que indicavam o caminho ao distante norte. Ajeitou seus olhos com o dedo indicador, os deslizando por seu nariz até que estivesse na posição adequada, cobrindo suas sobrancelhas ruivas como o seu cabelo, vermelho como ferrugem ou como a chama ardente da pequena lareira que crepitava a sua frente. Esticou as pernas por debaixo do cobertor que carregara de sua barraca até o local, para que ficasse mais próxima de sua única fonte de luz e para que pudesse ler suas anotações antigas. Reluzindo a capa de couro negra, as indicações “este diário pertence a Diana Evolwood”, em auto-relevo. Ela inclinava sua cabeça levemente para frente para que pudesse ler o título de cada dia que passara em sua vida, onde registrara tudo que havia acontecido. Às vezes, gostava de relembrar o tempo quando ainda tinha alguma companhia além de Khan, seu fiel gato, que no momento descansava dentro da barraca. Passava os olhos sobre o título de cada dia do diário. “O dia em que fomos acampar”, “o dia em que fomos ao parque de diversões” eram algumas das diversas memórias que vinham a sua cabeça, vívidas como se houvessem acontecido no dia anterior, apesar dos diversos meses que haviam passado desde que tudo aconteceu. Continuava folheando até que deparou-se com uma página em branco, apenas com um largo título no topo da página amarelada. “O dia em que tudo acabou” diziam as letras marcadas por uma tinta preta que manchou levemente o papel. Rapidamente, tornou-se insegura, como se tivesse sido emergida em pura tensão e horror repentinas, seguidos de alguns soluços breves. Por algum motivo, mesmo relembrando todos os dias daquela vazia página, não esperava a encontrar folheando aleatoriamente a caderneta em busca de algumas memórias agradáveis que a fizesse se sentir um pouco mais segura. O coração da jovem acelerou, e ainda mais lembranças vieram à tona. Dessa vez, não era aquele mesmo bom sentimento de nostalgia ou conforto. Era dor. Dor, angústia e desespero. Seus olhos arregalaram-se e, por mais que tentasse lutar contra aqueles pensamentos, não pôde evitar que algumas lágrimas se acumulassem por detrás de seus óculos. Diana encolheu-se, deixando a caderneta cair no chão, levantando uma poeira momentânea e provocando um curto ruído — o suficiente para despertar Khan, que levantou sua cabeça dentro da barraca. Ao menos, era o que sua silhueta através do tecido da tenda mostrava. Lembrou-se do conselho que recebera há algum tempo. “Deve lutar contra seus traumas, mesmo que pensar neles já seja doloroso.” Inspirando um pouco de ar pelo nariz e fungando, recolheu as lágrimas e ergueu novamente seu corpo contra a pedra. Este era o motivo pelo qual estava lá. Não poderia deixar que tudo fosse em vão. Olhou para o céu novamente, que não havia mudado nem por um instante. Qual era o propósito daquilo tudo? Uma garota de sua idade deveria estar na escola, como qualquer outra adolescente. A escuridão costumava a assustar, mas, após conviver com ela por tanto tempo, passou a se sentir segura emergida em um poço sem fundo, onde nada podia ver além de um abismo de incerteza. Este era seu futuro. “Um abismo de incerteza”. Recuperando seu fôlego, pegou seu diário e limpou sua capa de couro com a outra mão. Agora, era sua mão que estava coberta de poeira. Deixando apenas uma única lágrima cair sobre a folha, leu em voz alta um anexo preso à página — uma passagem de jornal, que exibia a imagem de um garoto que se parecia muito com a própria Diana. — “O desaparecimento de Max Evolwood”. Sua voz estava ainda mais rouca do que antes, e suas pálpebras quase caíram sobre os olhos do peso de várias noites mal dormidas que carregavam. Fitou a clareira onde se encontrava. Assegurou-se de que estavam completamente sozinhos. Catou o primeiro graveto que viu a sua frente e jogou sobre o fogo, fazendo com que resquícios de brasas passadas voassem ao alto por um instante e, em pouco tempo, irrompeu-se em chamas, bem como as demais lenhas. Ajoelhou-se na terra, guiando seu corpo pelos seus braços, que encontraram o zíper que fechava a entrada da barraca. Abriu-o, deixando a claridade da lareira invadir o local, que estava bem mais quente do que o lado de fora. Khan estava lá, encolhido, mas ela mal prestou atenção em seu amigo. Carregando seu cobertor que arrastava-se completamente pelo chão, acumulando certa quantidade de poeira e sujeira — fato com o qual ela não parecia se importar — em sua ponta. Levava a caderneta abaixo de seu braço, coberto por inteiro por uma blusa de manga comprida com um delicado tom de escarlate, roupa que já usava há dias desde que havia deixado Lyrion. O teto da barraca era baixo, fazendo com que ela não pudesse se estabelecer de forma tão confortável mas, definitivamente, era bem melhor do que dormir lá fora. O tecido da tenda era esverdeado, camuflando-se entre as cores da floresta. Quando deitava no chão, podia sentir a grama e as pedras espetando seu corpo, logo abaixo daquela fajuta camada de pano. Mas, mesmo assim, o sono da garota era tanto que ela simplesmente repousou a cabeça sobre um amontoado de roupas velhas — que improvisaram como sendo um travesseiro — e fechou seus olhos, mergulhando em um sono profundo.
As luzes da sirene policial brilhavam sobre a parede branca da sua sala, irrompendo pela larga janela de sua casa com força. Diana havia acabado de acordar — o poderoso som provocado pela viatura parecia não ter perturbado somente à ela, mas a todo o bairro, que se reuniu na frente de sua cara para saber o que houve. Mas, a primeira coisa que notou quando abriu seus olhos foi a cama de Max, seu irmão, estava completamente vazia — os lençóis bagunçados, bem como os travesseiros brancos. A partir daí, já tinha um mal pressentimento sobre o que veria a seguir. Seguiu com os pés descalços até o corredor, provocando um irritante ruído quando abriu a porta. Ainda não estava completamente dispersa, esfregando os olhos com o punho fechado e bocejando. Passou por duas portas — o banheiro e o quarto de seus pais. Caminhou em direção à sala. À medida que se aproximava, começou a escutar algumas palavras soltas, interrompidas por soluços vindos de outra pessoa — sua mãe. — Nós daremos o máximo para encontrarmos Max, mas não garantimos nada — comentou um homem desconhecido, vestido com trajes policiais. Se deparou com dois homens que nunca havia visto na vida sentados nas poltronas da sala de estar, enquanto seus pais estavam sentados no divã. Rachel cobria seu rosto, com os cotovelos apoiados sobre as coxas, deixando escorrer lágrimas por seu antebraço. Ed a consolava, passando a mão por seu pescoço, mas também aparentava estar extremamente preocupado. — Acho melhor darmos um tempo para vocês conversarem. Continuaremos com as perguntas depois — finalizou, suspirando ao perceber a presença de Diana que, apesar de não saber exatamente o que acontecia, tinha suas suspeitas. Rachel levantou o rosto. Seu rosto estava inchado e vermelho, com lágrimas queimando em sua face. Estava claramente fraca, os olhos profundos de uma noite mal dormida. Parecia estar prestes a desmaiar a qualquer instante. Diana nunca havia visto sua mãe desta forma. Ela ainda utilizava seu pijama, molhado por pequenos pontos mais escuros que destacavam-se sobre sua blusa branca. Estava trêmula. Ed parecia tentar disfarçar seu choro, piscando frequentemente para livrar-se de suas lágrimas. Diana nunca entendeu, já que a sua vida inteira foi ensinada que você sempre deve demonstrar seus sentimentos, e que guardar tudo para você te faz mal. De uma forma ou de outra, também estava claro o quão preocupado estava. — Ah, minha filha... Mal conseguiu completar sua frase. O piso da sala, gelado, cobria o corpo da garota como um balde de água fria derramado sobre seus cabelos castanhos. Em pouco tempo, já soube o que havia acontecido. Sentiu como se seu coração parasse e saltasse pela sua boca, talvez em busca de um lugar distante onde não precisasse encarar o que estava por vir. E aquelas mesmas palavras ressoaram à sua cabeça, como um eco distante vindo do fundo dos seus pensamentos, claras como um trauma que carregava, e obscuras como o medo e a desconfiança que sentiu naquele mesmo instante, quando viu a boca de sua mãe repetir lentamente, tremendo os lábios: — Max está desaparecido. Em seguida, desabou-se sobre os braços do marido, que a reconfortou. Rachel, depois de gritar sem êxito por ter sua voz abafada por suas próprias mãos, levantou seu rosto contra a garota novamente. Porém, não era tristeza que expressava. Era raiva. Suas sobrancelhas franzidas e seus dentes cerravam denunciavam suas emoções. — Como pôde deixar que isso acontecesse, Diana? Max era seu irmão. Como não pôde o proteger? — disse ela, a ponto de berrar a qualquer instante. Seu rosto estava vermelho como um tomate. — Diana, como é imprestável. Seu próprio irmão... como pôde deixar que isso acontecesse? Você é a culpada aqui. Você falhou. — completou seu pai, que também a encarava subitamente, com os olhos sedentos. — M-Mas, eu... — ela estava confusa. O que estava acontecendo? Como poderia ser sua culpa? Sua mente carregou-se com um turbilhão de emoções em instantes. Ela havia... falhado? — Sem “mas”, garotinha. Você já tem idade o suficiente para ter consciência sobre seus atos. Você foi inútil. Não conseguiu fazer nada para salvá-lo. Max confiava em você, e agora? Está provavelmente morto. Você sabe que está errada, não ouse negar sua culpa. — se intrometeu o policial, tendo uma estranha energia, como se ele já a conhecesse. Levou a mão direita ao olho direito. Uma lágrima escorria pela sua face. Elevou sua mão esquerda ao olho esquerdo. Uma gota de sangue escarlate vazava de sua bochecha. Era como se uma entidade mexesse com a cabeça de todos ao mesmo tempo. Levantaram-se e foram-se em sua direção, esbanjando a mesma cara séria e de olhos arregalados, como num filme de terror. Se aproximavam lentamente, repetindo críticas ao comportamento de Diana em um tom aterrorizante, como se fossem a atacar. A cada passo que davam em sua direção, a encurralando contra a parede, o ritmo de seu coração também aumentava. Seus olhos demoravam a abrir novamente quando piscava. Não havia caminho. De repente, sentiu algo como um arranhão em sua face, seguido por um forte miado em seu ouvido. Piscou, mas não acordara dentro da sala de sua casa. Ainda estava dentro da barraca, e Khan cutucava seu rosto para que acordasse. Ela resmungou algo sobre ainda estar dormindo, mas ainda assim levantou-se.
Muita coisa havia mudado desde que saíram de Lyrion após a declaração da situação de extremo risco que sofria. Os feixes da luz do sol atravessavam o tecido da barraca. Sentiu o calor irradiar seu rosto em instantes. Seus olhos arderam com a brusca diferença de luminosidade. Catou sua caderneta antes de sair e começou a rabiscar o papel, formando alguns garranchos que, se apertasse bem os olhos, seriam legíveis. Sentiu o cheiro da tinta fresca da caneta quando começou a escrever. “Olá. Faz um tempo desde que não nos falamos, não é? Eu sei que eu meio que te abandonei, mas é que as coisas estiveram me ocupando bastante desde que a gente veio pra cá. Vou tentar te atualizar de tudo que rolou desde então. Depois daquela tarde em que nós colocamos o rádio para funcionar pela primeira vez, nós começamos a arrumar umas malas (aparentemente, não coloquei roupas o suficiente, já que to usando a mesma roupa há alguns dias). No dia seguinte, nós fomos em uma loja no centro da cidade que costumava vender equipamentos para acampar. Espero que me perdoe, mãe, mas nós meio que levamos algumas coisas sem pagar. Era uma situação de vida ou morte, tá legal? Um azar que eu não peguei uma daquelas barracas super chiques com espaço para oito pessoas. A essa altura, a que pegamos já tá toda rasgada. Triste. Nós decidimos vir para a Floresta de Mouneet, onde a gente costumava vir para passar alguns finais de semana. Era legal. Estamos estabelecidos nessa clareira há alguns dias. O alimento ainda tá meio longe de acabar, mas nós já estamos providenciando mais. Lembro de algumas frutinhas comestíveis que nós provávamos quando vínhamos acampar. Bons momentos.” A partir daí, sua caneta começou a falhar. Pegou a caderneta e a arremessou de volta para dentro da barraca. Estava mal-humorada. Calçou suas botas jogadas ao canto. Seu couro estava quase mofado e seu interior estava úmido — mas era melhor do que nada. Estava partindo em direção a um lago próximo da clareira, onde poderiam fazer sua higiene pessoal. Não negava que era uma situação completamente diferente de qualquer outra que já esteve. Era garota criada em apartamento, vida perfeita, família feliz. Mas estava disposta a fazer qualquer coisa se seu irmão dependesse de si. E era nessa situação em se encontrava. Então, enquanto não encontrasse seu irmão... Continuaria escovando seus dentes com a água do lago. Khan a seguiu, adentrando o mato. Suas patas estavam cobertas por uma mistura de lama com folhas secas. Era nojento. Cada vez mais, se aproximavam da grande concentração de água. O ar que respiravam era diferente do da cidade — era puro, leve, como se fosse libertador. Além das árvores, já podia ver o grande espelho d’água refletindo a margem do lago. Um milagre da natureza, de beleza indescritível. Uma família de patos cambaleavam até a borda, preparando-se para molharem suas penas. A mãe ia na frente, enquanto os sete pequenininhos oscilavam seus passos em uma fila. Era de longe a coisa mais bonita que já havia presenciado. Estampava essa emoção com sua boca aberta, mas ainda mostrando os dentes, sorrindo. Porém, algo lhe chamou a atenção. Algo se mexia por detrás dos arbustos, da onde saíam guinchos e choros. O barulho a causou comoção, que procurou saber da onde vinha. — Khan! Tá ouvindo isso? — ela deu um breve silêncio para que pudesse ouvir melhor. O som do vento chacoalhando os galhos das árvores a trouxe paz. O choro se repetiu. — Vamos! O gato pulou em meio ao amontoado de plantas e raízes, abrindo um rombo entre as folhas com suas garras. Diana impressionou-se com sua capacidade. Em meio às folhas caídas, surgiu o oitavo patinho perdido, que continuou a chorar. Algumas gotas de chuva começaram a cair contra o chão, levantando a lama que repousava, endurecida, sob seus pés. Seu coração se amoleceu ao ver que tinha sua pata presa à uma das raízes da planta, que parecia o machucar com força a cada movimento que fazia. Ele a encarava como se implorasse por socorro, mas ainda assustado com a presença dos dois. As gotas de água começaram a se tornar cada vez mais frequentes. — Ah, coitadinho... — ela acariciou sua cabeça com o dedo indicador, sentindo as penas amarelas como a gema do ovo em suas mãos. Seu bico achatado e rosado abria uma hora ou outra para continuar guinchando de dor. — calma, calma. Khan, você não pode cortar a raiz com sua garra. Vai acabar machucando ele. Vem, fica aqui bem atrás de mim. Eu tenho algo melhor para ajudá-lo. Do seu bolso de trás, catou a caneta que esquecera de jogar de volta à barraca quando começou a falhar. Com cuidado, a encravou entre a raiz e a patinha do animal, e começou a puxá-la para trás, lentamente rompendo as fibras. Finalmente, a raiz se partiu no meio, lançando uma seiva amarelada para toda a parte e quebrando o acrílico da caneta. Agora sim precisaria de uma nova. Sua camisa estava completamente ensopada e pesada, enquanto os pelos de Khan estavam caídos com a água. Ela catou o filhote em seus braços, o confortando e envolvendo seu machucado com uma parte de sua blusa para estancar um pequeno sangramento que se surgiu. Tomando cuidado com seus passos, o carregou até perto da sua mãe, que parecia mesmo procurar por algo enquanto os filhotes de refrescavam na água. Ela grasnou e chorou, até que Diana adentrou a clareira que cercava o lago, com Khan colado à sua perna. Um forte vento acompanhou as gotas de chuva, que começaram a atingi-los quase que na horizontal. Pelo amontoado de árvores e arbustos, pode ver além da clareira sua barraca, que chacoalhava fortemente. O pequeno pato alegrou-se em ver sua mãe. Com seu pequeno conhecimento sobre a lógica animal, não se aproximou da mãe, pois poderia a encarar como uma ameaça; apenas o deixou ao chão e, derrapando por não conseguir utilizar uma de suas pernas, voltou para sua família. — Sabe, Khan... — ela finalmente desviou o olhar do grupo de animais, que continuavam a se banhar no lago, felizes — acho que eu gosto de ajudar as pessoas. Nesse pequeno tempo... eu não pensei em Max, ou em meus pais em momento algum. Eu costumava só me preocupar com isso. Eu até sonhei com eles. Mas, eu não me sinto preocupada, ao mesmo tempo que eu acho que deveria estar, e... O companheiro olhava diretamente em seus olhos. Ele, geralmente, não gostava de estar sujo, mas não parecia se incomodar nem um pouco naquele momento. — Acho que é isso. — O olhar de Khan demonstrava sua confusão, mas ao mesmo tempo uma leve curiosidade. — É isso que eu quero fazer. Ajudar as pessoas. Ele abriu um longo sorriso e ronronou. — Mas... é hora de voltar à realidade. Olhando em volta, ela podia ver um pedaço danificado da barraca, carregado e destruída pela chuva. Ela se aproximou e segurou o grande pedaço de lona rasgada e suja de lama, presa a um grande tronco de árvore, cortado pela metade. O tecido era azul, e se desfazia quando Diana esfregava seus dedos entre o pano. Agarrado a ele, sua caderneta, completamente ensopada e suja. Pelo menos, isso conseguiu ser salvo. — Acho que teremos de achar outro lugar para dormir... Ela continuava examinando os pedaços arrancados da barraca, enquanto o pequeno gato olhava à sua volta. Tentou livrar-se com sua pata de algumas folhas que grudaram-se ao seu corpo com a aderência da lama já seca, que permanecia endurecendo seu pelo, cinza como as nuvens que pairavam o céu, e que ainda descarregavam uma massiva quantidade de água. Caminhou ao redor, desviando de pequenas plantas que nasciam por entre a terra, constantemente recebendo umidade daquele clima extremamente chuvoso. Subiu em uma grande pedra, que se alongava até as proximidades do lago. Já em sua ponta dura e afiada, Khan avistou, do outro lado do grande espelho d’água, uma pequena casa de madeira, iluminada pelo sol que ainda escalava dificilmente o céu, erguendo seu brilho em direção ao meio-dia. Parecia um lugar caloroso na percepção limitada do gato. Diana, acompanhando o amigo com o olhar, enxergou também a casa, onde poderiam pedir abrigo. Ela se sentou. Suas pernas ainda estavam cansadas e em constante dor. Seu coração permanecia acelerado. A menina observou o chão, onde algumas flores pareciam sofrer as reações do fim do outono e a chegada do inverno. Era uma rosa — um pouco desbotada, mas era como um símbolo de resistência. Ela arrancou a flor da terra, tomando cuidado para não se furar com os espinhos — ela deslizou para fora da lama lubrificada sem insistência. Ergueu suas pétalas. Seu rosto ficou lívido quando percebeu um pequeno detalhe, que a fez largar a rosa no chão — ela rapidamente se desfez em poeira. O caule estava cinzento. — Khan... — ela se afastou o mais rápido que pôde da flor que, no momento que tocou o chão, fez com que a pouca grama à sua volta também se tornasse cinzenta e podre. O forte cheiro de estrume também incomodou o olfato de Diana. — precisamos ir... rápido! O felino saltou do topo da grande pedra até o chão, caindo de pé. Parecia confuso, mas não hesitava em seguir sua fiel companheira. Deixou todos os seus pertences para trás, conseguindo levar consigo apenas sua caderneta, em que registrava cada dia que passava. Suas pegadas foram deixadas pela última vez naquela lama, que nunca mais seria tocada por uma alma viva. Estava trêmula, assustada. Em um segundo, todos os seus sentimentos de preocupação e ansiedade voltaram ao seu corpo, um por um. A assassina havia os alcançado.
submitted by Pomiwl to NinguemPrecisaSaber [link] [comments]


2019.10.04 20:23 altovaliriano Ambições Sulistas

Link: https://towerofthehand.com/blog/2012/01/05-southron-ambitions/index.html
Autor: @StefanSasse (Afirma ter estudado História, Literatura Alemã e Política na Universidade de Tuebingen e é blogueiro e professor)

Em A Dança dos Dragões, descobrimos que Lady Barbrey Dustin odeia a família Stark (e, especialmente, Eddard Stark) por não a deixar se casar com Brandon Stark e depois arrastar o marido que lhe foi imposto para a guerra rebelde de Robert Baratheon. Embora possa parecer possível que a raiva do marido morto seja apenas um substituto de algo que ela não deseja revelar, ela conta a Theon algumas teorias da conspiração que fazem mais sentido do que deveriam e que enchem o leitor com um sentimento de desconforto . Em resumo: parece haver mais sobre a eclosão da rebelião do que originalmente sabíamos. Parece que a convocação de Aerys para a corte não foi apenas o produto de uma mente insana, mas também a reação muito real contra algo que estava acontecendo antes. De fato, o que Lady Dustin chama de "ambições sulistas" de Lord Rickard Stark parece não ser mais realidade do que uma teoria de conspiração dela. E examinar isto vale a pena.
Primeiro, vamos relembrar o que pensamos saber sobre a rebelião. Quando Rhaegar Targaryen sequestrou ou seduziu Lyanna Stark, Brandon cavalgou para a Fortaleza Vermelha com seus companheiros, desafiando Rhaegar a um duelo e foi preso. Rickard foi então convocado para a corte e executado em conjunto com Brandon. Aerys então exigiu Eddard e Robert, ambos protegidos de Jon Arryn, que recusou e se rebelou. Eddard reuniu o Norte, Robert conquistou primeiro as Terras da Tempestade nas três batalhas de Solarestival e depois marchou para se encontrar com os exércitos de Eddard e Hoster Tully. Este último mudou de lado para a causa dos rebeldes em razão do casamento de Jon Arryn com Lysa Tully e, por sua vez, teve que conquistar suas próprias Terras Fluviais. Na Batalha dos Sinos, eles conseguiram unir suas forças e vencer a batalha final no Tridente, cujo resultado levou Tywin Lannister, que permaneceu neutro, a ficar do lado dos rebeldes.
Agora, algumas coisas sobre isso são estranhas. Ninguém fica se pergunta sobre eles inicialmente, porque nenhum dos personagens também o faz; para eles, foi assim que as coisas aconteceram e nenhum sobrevivente está por perto para ser questionado. Mas há realmente um prelúdio para esses eventos. Vamos recuar a alguns anos antes do torneio de Harrenhal. Não muitos, apenas três ou quatro, no máximo. Existem vários grandes senhores, todos se conhecendo melhor do que o esperado, porque lutaram juntos na Guerra dos Reis das Nove Moedas alguns anos antes. Jon Arryn, Steffon Baratheon, Rickard Stark, Hoster Tully e Tywin Lannister são companheiros de guerra. Com exceção do último, eles parecem ter feito uma espécie de amizade nesta guerra. Pelo menos, isso explicaria por que eles enviaram protegidos uns aos outros: Eddard e Robert foram ao Ninho da Águia para serem criados lá. Robert estava apaixonado por Lyanna e conversas sobre um noivado foram realizadas. E Hoster queria casar suas filhas com os herdeiros de Winterfell e Rochedo Casterly, respectivamente.
Isso é altamente incomum. Mas, novamente, para os protagonistas dos romances, é assim que acontece, e eles não parecem refletir muito sobre isso. Se olharmos para as relações das grandes casas em circunstâncias normais, elas raramente casam entre elas. De fato, eles normalmente se casam com seus próprios vassalos. Hoster Tully, por exemplo, casou-se com Minisa Whent. Tywin Lannister chegou a se casar com Joanna Lannister, sua prima. Steffon Baratheon se casou com Cassana Estermont. A esposa de Rickard é desconhecida, mas a mãe dela era do Clã Flint. Mace Tyrell se casou com Alerie Hightower. Balon Greyjoy era casado com Alannys Harlaw. Em menor escala, o mesmo acontece, na maioria das vezes, com os próprios vassalos; eles raramente se casam com alguém de outros reinos. Isso é importante, porque a influência política e a estabilidade em seu próprio domínio são de suma importância para todos os senhores de um reino. Casar com pessoas de fora só é útil em dois casos: se você deseja selar uma paz ou se deseja selar uma aliança. Caso contrário, você não fará isso, porque ganhar ou reter influência com seus próprios vassalos é mais importante. Isto é especialmente verdade em um reino remoto como o Norte.
E, no entanto, de repente, Lord Rickard casa um filho com a Casa Tully e envia o outro para ser criado na Casa Arryn, ambos reinos vizinhos diretos do Norte. Não há paz para selar, e apenas ser amigo dos dois senhores pela guerra não exatamente é uma justificativa. Quando se avalia a questão dessa forma, a afirmação de Lady Dustin de que Rickard nutria "ambições sulistas" repentinamente pode ser vista sob uma luz totalmente diferente. O que exatamente estava acontecendo nesses anos em que cinco grandes casas ao menos consideraram forjar uma aliança? Lembre-se, Jaime Lannister deveria se casar com Lysa Tully antes que ele assumisse o branco da Guarda Real! Isso também traria os Lannisters para a aliança, deixando de fora apenas a Casa Greyjoy (que é irrelevante), a Casa Martell (que não é confiável, na perspectiva deles) e a Casa Tyrell. Esta última não tinham filhos na faixa etária certa para serem incluídos na formação da aliança, o que pode ser um fator que contribuiu para eles terem sido deixados de fora e, de qualquer maneira, eles não eram uma ameaça às cinco Casas unidas. Mas qual era a intenção dessa aliança?
Para entender isso, temos que voltar a O Festim dos Corvos, no qual Jaime se lembra de Rhaegar deixando a Fortaleza Vermelha para o Tridente. Rhaegar anunciou que, uma vez terminada a batalha, pretendia convocar um conselho para fazer mudanças. Uma vez que a batalha terminou mal, nunca ficamos sabendo quais mudanças que ele pretendia fazer, mas não é um tiro no escuro supor que ele queria se livrar de seu pai e envolver todas as principais Casas nisto - o que poderia ser exatamente o que as cinco Casas também tinham em mente. Combinando seus poderes, elas poderiam exercer pressão política sem realmente entrar em guerra ou tomar outras medidas tão drásticas, a fim de forçar Aerys a fazer concessões ou a renunciar por Rhaegar. É improvável que elas tivessem uma mudança de dinastia em mente; essa reviravolta foi resultado das ações de Aerys quando matou Rickard e Brandon e exigiu Robert e Eddard. Ele colocou mais coisas em jogo do que se imaginava haver antes. Mas a idéia de uma aliança política contra a Aerys para transformar o reino em algo melhor combinaria com o cenário traçado por elas.
Vamos refletir sobre essa idéia por um tempo. Até agora, apenas olhamos para as pessoas que representam as principais casas e o que elas fizeram, mas há pelo menos duas pessoas nos bastidores, das quais sabemos que também pareciam ter objetivos que se encaixam nisso: Varys, em Porto Real, e o meistre de Rickard, Walys. O primeiro todos conhecemos; o eunuco em Porto Real está lá há um tempão e sussurrava no ouvido de Aerys. Suas constantes afirmações de que quer apenas manter a paz são corroboradas pelas suas tentativas de restaurar a dinastia com um garoto especificamente criado e instruído para o trabalho. Não causaria espanto que Varys tenha, de fato, alimentado a paranóia de Aerys apenas para denunciar pessoas que estavam no caminho de seu esquema. Isso significaria que Aerys se livrou das pessoas que poderiam protegê-lo. Mesmo a idéia de tirar Jaime de Tywin para afastá-lo de Aerys poderia ter sido parte desse esquema maior. Obviamente, isso é altamente especulativo e requer a existência de ao menos mais uma pessoa, com quem ele pudesse conspirar.
O desprezo de Lady Dustin por Rickard Stark (e a família Stark em geral) só é superado por sua aversão ao meistre de Rickard, Walys. Essa pessoa de quem nunca havíamos ouvido falar antes de A Dança dos Dragões é responsável pelo casamento com os Tully, alimentando assim as ambições de Rickard. Não sabemos muito sobre Walys, mas não é muito improvável que ele tenha conseguido se comunicar com Varys de alguma forma, e até mesmo com o Grande Meistre Pycelle, que se considerava um verdadeiro servo da Casa Lannister, a qual era vista como um aliada à época.
Como estamos falando de "As Crônicas de de Gelo e Fogo", até os planos feitos por Varys e outros grandes conspiradores falham. Se esse grande plano foi construído dentro destes parâmetros, ele claramente falhou. O seqüestro de Lyanna por Rhaegar, Tywin ter renunciado ao cargo de Mão (e ido se amargurar em Rochedo Casterly) e a morte de Rickard e Brandon devem ter sido um sério revés. De repente, a aliança em potencial das cinco foi reduzida a apenas duas. Os Starks estavam pessoalmente envolvidos e não podiam mais recuar, mas Hoster Tully era tudo menos um homem muito leal: obviamente, o casamento entre Brandon/Eddard e Catelyn não o levou instantaneamente à guerra. Em vez disso, ele barganhou com Jon Arryn. O próprio Arryn estava pronto e assumiu a causa quando Aerys ordenou que ele entregasse seus protegidos. Mas uma pergunta permanece sem resposta ainda: por que a Aerys exigiu Robert Baratheon pra começo de conversa?
Se aceitarmos a idéia de um esquema estava sendo traçado e que Jon Arryn era uma parte vital dele, teremos que admitir a ideia de que Robert não conheceu Lyanna Stark por acaso. Provavelmente, ela visitou seu irmão Eddard no Ninho da Águia em algum momento, e lá Robert a conheceu. Sabemos que Robert ama com facilidade e logo deseja muito a coisa para si, e aqui talvez ele tenha sido até sutilmente encorajado. Rickard, que pode muito bem ter mantido contato com Jon Arryn, já poderia ter mediado a idéia de um casamento entre os dois. Dessa forma, a Casa Stark teria casado com duas grandes casas - Tully e Baratheon - e ligada a outra por um protegido. Como Elbert Arryn era um companheiro constante de Brandon Stark (por razões ainda desconhecidas), a teoria ganha ainda mais terreno. Nunca é mencionado explicitamente, mas é possível que Elbert Arryn fosse um protegido ou, ao menos, um hóspede em Winterfell por algum tempo. As relações entre as três Casas de Baratheon, Stark e Arryn eram mais fortes do que a maioria das relações nos Sete Reinos jamais foi. Como Robert era um jovem suserano das Terras da Tempestade, influenciá-lo deveria ser fácil para Jon Arryn. É claro, Aerys não parece ser o tipo de cara dado a tais deduções racionais. Mas, se aceitarmos Varys ou outra pessoa como parte disso, dar a Aerys a idéia de exigir Robert também, a fim de colocar as Terras da Tempestade no campo de Arryn e Stark, é apenas uma jogada que se deseja fazer - ou não, se você for um rei Targaryen enfrentando uma rebelião.
A exigência de Aerys imediatamente pôs as três casas em um mesmo lado. Eles também contavam com os Tully e talvez esperassem a neutralidade ou aliança de Lannister. Os Tully não estavam tão ansiosos para se juntar, o que pode ser atribuído à sua vulnerável localização geográfica e ao fato de que a eclosão da rebelião não era o que eles haviam planejado (se é que havia plano algum), então eles podem ter se sentido traídos e/ou menos usados, já que as Terras Fluviais provavelmente receberiam o primeiro golpe. O arranjo foi terrivelmente apressado e caótico, mas Jon Arryn já havia atravessado o Rubicão. Eddard e Robert, adolescentes e por azar agora chefes de suas casas e reinos, eram ambos meros peões de Jon Arryn, muito jovens e inexperientes para perceber o que havia acontecido, especialmente porque era tudo feito pensando no que seria melhor para eles (ao menos, para Eddard). Ambos encaravam Jon Arryn como uma figura paterna icônica, mesmo em A Guerra dos Tronos, quinze anos depois. É um tipo feroz de devoção, que deveria ser ainda mais forte nos tempos em que eles ainda moravam com ele. Jon Arryn intermediou a aliança com a Casa Tully ao se casar com Lysa, e agora a aliança somava quatro Casas. Duas outras ficaram fora do conflito (Lannister e Greyjoy) e uma (Martell) estava em dúvida e teve que ser convencida a entrar na guerra pelo próprio Rhaegar, já que Aerys havia repetidamente segregado os dorneses. Apenas Tyrell era fiel a Aerys, mas Mace Tyrell não assumiu um risco muito elevado ao trazer uma grande parte de seu exército para Ponta Tempestade e ter estacionado por lá.
Não está totalmente claro qual era o objetivo da guerra naquele momento. Talvez Arryn e outros conspiradores ainda esperassem derrubar Aerys e restaurar a dinastia Targaryen, talvez com mais liberdades e privilégios para os reinos, fortalecendo sua autonomia. Todos esses planos se perderam quando Lyanna morreu e Rhaegar foi morto, no entanto. A fúria de Eddard perdia apenas para a de Robert, que não permitiria que qualquer Targaryen sobrevivesse e se tornou o candidato natural ao trono em substituição à dinastia Targaryen como um todo. Talvez Jon Arryn ainda esperava conseguir um acordo após o Tridente, restaurando alguma ordem pacífica sob o governo Targaryen, mas foi levado ao inferno quando Tywin Lannister deu seu próprio passo e conquistou Porto Real, assassinando todos os Targaryens presentes na cidade. Ninguém antecipou essa mudança, mas criou um fato consumado. Não havia como voltar atrás, e a dinastia Targaryen teve que ser removida como um todo.
Quaisquer que fossem as "ambições sulistas" de Rickard Stark, no entanto, elas não se concretizaram. Eddard retirou-se para Winterfell, sofrendo com a morte de Lyanna e sem desejo pelo poder, devolvendo Winterfell a uma posição essencialmente isolacionista, sem qualquer pretensão ao sul do Gargalo. Jon Arryn intermediou o casamento entre Robert e Cersei Lannister, criando assim uma nova aliança para apoiar a nova dinastia, uma aliança que se mostraria muito instável. A perda de seus próprios herdeiros, Elbert e Denys, enfraqueceu gravemente sua própria dinastia, e o mau casamento com Lysa Tully a deixou a beira da extinção. Hoster Tully também parece ter voltado aos seus próprios negócios, Mace Tyrell foi excluído de todos os assuntos onde quer que fosse, e a paz que Jon Arryn fez com Dorne estava basicamente tratando Dorne como se não fizesse parte dos reinos. Se as casas alguma vez aspiraram a um pilar melhor para uma paz duradoura em todo o reino, esse sonho foi destruído no final da rebelião de Robert. As "ambições sulistas" não trouxeram benefícios para o Norte, e os assuntos do reino ficaram nas mãos dos que estavam dispostos a aceitá-los. Jon Arryn estava contente em defender uma paz que se tornava cada vez mais uma fachada, e seu inevitável falecimento finalmente destruiu o equilíbrio de poder, dando lugar à ascensão Lannister e à destruição das Casas Stark e Baratheon.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.05.29 23:24 lacimad Worldcorp [atualização]

De acordo com um usuário qualquer do reddit, tudo sobre a Worldcorp é falso e quem está por trás disso é um bando de pré adolescentes, como é dito nesse post: https://www.reddit.com/conspiracy/comments/5u5aby/please_stop_spreading_the_worldcorp_hoax_info/?utm_medium=android_app&utm_source=share
"Ah, eu olhei o twitter deles por 5 horas, acredite em mim", ou "pesquisa vc kk", é o que o OP lhe dirá se pedir por alguma prova. Ele acaba de tentar refutar um vídeo que supostamente é de pedofilia com as palavras e a arrogância dele.
Tão arrogante quanto, temos esse vídeo: https://youtu.be/QEE8JWc1Zg0 onde um cara fala coisas como "o SiIvaGunner que postou o vídeo pra aparecer no ScareTheater" - sendo que ele mesmo só apareceu lá depois de 2 anos, e ele afirma com certeza absoluta que o vídeo é falso, e diz qual é a fonte do vídeo, só que... não, ele diz a fonte de um vídeo que foi usado pelo Siivagunner no ARG dele, mas deixa o link pra um vídeo que mostra a fonte de todos... menos do principal, o que dá nome ao vídeo do Siivagunner (que é um ARG com vários vídeos sombrios, E o Each Day I Grow Some More). Ou seja, eles não conseguem provar que um vídeo que parece ter CP seja falso, mas acham que seja, porque os outros eram, e dizem "eh, deve ser..." logo antes de abandonarem o caso e chamarem todos que ainda não abandonaram de idiotas. O próprio SiIvagunner, no vídeo do Scaretheater, afirma que pegou todos os vídeos do /x/ e alguém que se intitulava "CEO" dessa "empresa" pediu via Discord que eles colocassem créditos à Worldcorp na descrição do vídeo, e assim o fizeram.
Eu não sei quanto a vocês, mas eu acho que esses imbecis não refutaram nada, então segui o conselho do usuário random do reddit e fui procurar mais sobre isso.
O twitter da Worldcorp não tem nada demais além de divulgação das músicas deles, então fui escutar essas músicas e duas coisas sobre elas me chamaram atenção. A primeira se chamava, "Bootleg2a", e foi removida do soundcloud, tinha a mesma voz do "John Molesta" de Fatherhood e Each Day I Grow Some More, que foi o vídeo postado no canal do SilvaGunner. A voz pode não ser do Podesta, mas é a mesma desses vídeos. Isso significa que eles produziram o vídeo e não podem simplesmente ter pego o vídeo do /x/ no 4chan, como podem ter feito com o "(Dreamer Heaven Level's) - Rain's demise of reptile" - que de acordo com um usuário do 4chan é real, e a maior parte do vídeo foi cortada por conter cenas explíctas (o post dizendo isso tinha um link para o vídeo, mas foi removido por motivos óbvios). Bootleg2a pode ser ouvida parcialmente neste vídeo: https://youtu.be/JhkDhTPVfZU
Foi onde eu ouvi essa música, já que ela foi removida da soundcloud e ninguém a salvou. Eu até perguntei desse canal se ele tinha essa música, ele simplesmente disse que não. Mas, além dessa musica, a que toca no começo do desse vídeo também é familiar... essa é a música:
https://youtu.be/niUI4lhbUb0
Entrando no site oficial da Worldcorp, quer dizer... considerando que o site está fora do ar, entrando na página dele no way back machine, eu encontrei isso: https://web.archive.org/web/20170311005507/http://www.worldcorpo.net/content/music/music.html
A primeira música "good book" tem o mesmo instrumental da música do vídeo do MindFck, ele inclusive é creditado no vídeo original, de Neon Renegade, postado no mesmo dia: https://youtu.be/KyMgaslG8dE
Possível explicação: é bem simples até... alguém na Worldcorp pode simplesmente ter pego o instrumental da música, disponível nesse vídeo: https://youtu.be/fkc0MVPt8QE e copiado na cara-de-pau mesmo. Mas além da música, todo o design do vídeo, o estilo da arte, e as letras subindo lembram os vídeos da Worldcorp. Como por exemplo esse: https://youtu.be/VYOQbl5B8y4
Mas... espera aí... a data desse vídeo é 4 de março de 2017, e a dos vídeos do MindFck e do Neon Renegade são 19 de maio do mesmo ano...
Em mais uma reviravolta, parece que o instrumental de "Things" do Neon Renegade só foi disponibilizado depois de "Good Book", da Worldcorp... pra mim, isso me parece uma possível evidência de que Mindfck e Neon estejam envolvidos nisso. Agora eu tenho mais perguntas que quando comecei a procurar sobre esse assunto. Mindfullofck há dois anos divulgou os vídeos da Worldcorp em seu canal, e nos comentários de seus próprios vídeos ele aparenta ser bem cético quanto a isso, afirmando se tratar de um bando de estudantes de música ou algo assim, enquanto no vídeo ele afirma que a voz é do John Podesta. Eu espero que os vídeos não sejam verdadeiros e que seja realmente apenas um hoax, mas pouco importa o que eu quero, eu tô mostrando o que sei sobre isso e o que tem de concreto, separando minhas teorias idiotas das evidências que realmente tenham alguma relevância. Mesmo assim eu posso cometer ou já ter cometido erros enquanto procurava por algo, e a ajuda de qualquer usuário deste subreddit seria muito bem vinda
submitted by lacimad to fabricadenoobs [link] [comments]


2019.05.12 11:46 DreGattai Herdei uma dívida do meu pai que nunca poderei pagar (x-post do r/Brasil)

Bom dia, pessoal! Fiz esse post no Brasil e, depois de bizarramente ter explodido por lá, me indicaram postar aqui tb para que hajam alguns novos conselhos.
É a primeira vez que resolvo falar sobre minha situação abertamente, e não sei pq diabos resolvi fazer isso no Reddit, mas lá vai.
Aos 12 anos, eu era um adolescente extremamente bem de vida. Minha família tinha uma empresa, morávamos em uma boa casa e tudo ia bem. Meu pai era um cara extremamente trabalhador e o ser humano mais gente boa da história do mundo, enquanto minha mãe era a general da porra toda. O velho nunca foi bom em lidar com grana, mas a minha mãe botava tudo na linha e gerenciava as finanças da empresa e da casa - o que foi o fruto da prosperidade toda. A vida ia bem.
Até que, um certo dia, num procedimento pra tirar uma pedra da vesícula dela, descobriram um câncer no fígado que a levou em aproximadamente três anos. E não foram três anos fáceis.
Após o acontecido, a família degringolou. Sem a pessoa que botava tudo na linha, a empresa foi acumulando um sem número de dívidas e problemas trabalhistas. Fomos perdendo todos nossos bens. E, nesse ínterim, veio outra grande merda.
Meu pai, o que friso que foi na melhor das intenções, me colocou como sócio da empresa com o intuito de me proteger na divisão do legado, que até então estava entre ele e meus dois irmãos mais velhos, pois ele prometeu que iria virar o jogo. Essa sociedade foi imposta, sem que eu soubesse - afinal eu só tinha 15 anos.
Ele não virou o jogo.
Desde essa decisão, sofro as consequências dessa herança maldita. Não posso ter bens, dinheiro em banco, fazer investimentos. Se eu esqueço dinheiro em uma conta corrente, algum dos processos trabalhistas pode sacar esse dinheiro a qualquer momento, me deixando sem nada. Trabalho num bom emprego, que me garante um salário razoável, mas vivo de boas vontades para poder ter este fruto do meu trabalho sempre em minha posse.
Eu já falei com advogados e todos me garantiram que não há o que ser feito. Na lei é clara a informação de que salários são impenhoráveis, mas o juiz que solicita a penhora não quer saber. Saca e, caso seja salario, eu que vá lá e prove pra ele - o que me joga custos com advogados pra poder dar entrada nestas respostas.
De tudo isso, acho que fica a lição: Seu nome na praça é MUITO PRECIOSO. Mesmo que seja alguém que você ame com todas as forças, não deixe de cuidar por si, mesmo na juventude. Meu pai já se foi há quase 9 anos, e desde o acontecido até o último dia da sua vida ele se arrependeu profundamente do que fez - mas nada pôde ser desfeito.
Obrigado por ouvirem.
submitted by DreGattai to ConselhosLegais [link] [comments]


2018.12.14 16:10 MarshKun Pai Trans #1 - Roupas

Oi gente.
Vocês devem estar se perguntando o que diabos é isso de pai trans. Bom, esse é um projeto que eu estou trazendo para vocês.
Eu percebi que tem algumas coisas que eu nunca aprendi com meu pai, como por exemplo como me barbear, me vestir, como me portar e alguns conselhos sobre a vida, e etc que eu sempre quis aprender com ele, mas nunca tive a oportunidade.
Então eu pensei: Eu posso ser o pai trans de alguém. Ensinar todas essas dicas, essas coisas que eu tive que aprender com os anos sobre como me portar, como me vestir e como fazer algumas coisas que eu nunca tinha feito antes, para vocês. Eu espero que vocês gostem dessa série que vai ser provavelmente quinzenal ou semanal, dependendo do tamanho dos posts.
Atenção: Para quem é mulher trans, fique tranquila! Eu estou olhando com as maravilhosas mulheres trans do transbr para a gente conseguir fazer o Mãe Trans, então fiquem ligadas que logo logo a gente lança uma edição para vocês.
Mas enfim, hoje eu quero tentar ajudar vocês que são homens trans a se vestir melhor com algumas dicas que eu aprendi durante o caminho da minha transição. Tenham em mente que em relação a roupas eu sou um cara bem… Careta, digamos assim. Eu uso normalmente muita roupa social, então o meu estilo pode não ser o mesmo que o seu, e por isso, qualquer outra dica deixada nos comentários vai ser massa para que a gente possa atingir a maior quantidade de estilos e dicas possíveis.
Além disso eu vou em cada post alguns links úteis para que vocês possam fazer a pesquisa por si próprios e achar o estilo que mais se alinha com você. Então vamos lá!

Calças:

Caso você ainda não tenha começado o tratamento com a testosterona, prefira pegar calça de irmão, de pai, de amigo, etc, por que a sua gordura corporal (que eu vou chamar de GC por que eu vou falar muito esse termo aqui) vai mudar com o uso da testosterona, e pode ser que as calças não caibam mais em você ou simplesmente não tenham um caimento tão legal assim depois que você já estiver mudado.
Caso você não possa pegar as calças de outras pessoas, ou simplesmente não quer passar pelo tratamento hormonal, compre uma calça mais quadrada, por que elas deixam as suas pernas mais longas e disfarçam as curvas do corpo. Calças retas também são uma boa pedida, por que elas dão a impressão de emagrecer a pessoa, ou seja, elas retiram muito algumas curvas que você possa ter. Existem vários outros tipos de calças, e vale a pena olhar qual fica melhor com você.
Depois da mudança na GC os mesmos conselhos se aplicam, mas agora você pode ousar um pouco mais usando uma calça menos quadrada, se se sentir confortável.
Independente do seu estágio de transição ou não, prefira cores mais escuras, sóbrias. Azul marinho, bonina, verde escuro, etc. Cores muito chamativas e claras normalmente não são muito usadas, e quando são, são usadas com extrema moderação, normalmente num par com camisas escuras e pouco chamativas. A calça não tem que combinar com a camisa, tem que complementar ela, tenha isso em mente.

Camisas:

Independente se você tiver feito a mastectomia ou não, você vai ter um pouco de peito(ral), a questão aqui é como trabalhar com isso para obter um look mais reto e condizente com o resto do seu corpo, sem falar que você tem que ficar bonito, né?
Primeiramente quero falar com você sobre a maravilha da humanidade chamada brechó. Lá você encontra camisas sociais, blusas e muito mais em média por dez e vinte reais, e depois é só ir na costureira (ou entregar pra sua avô caso ela seja legal e saiba costurar) e pedir para ela costurar para o seu tamanho, o que em média fica de 20 a 40 reais. É muito mais barato que sair por aí comprando camisa de 110 reais, e vai ficar muito melhor por que vai ser feito pra você.
Só se atente a uma dica crucial: Você pode levar na costureira roupas alguns números maiores que os seus (ou fazer como eu e roubar as camisas sociais que meu pai não usa mais), e iguais ao seu número, mas nunca menores que o seu número por que a costureira não vai conseguir tirar tecido do nada para aumentar a roupa para você, ok?
Bom, para quem não está usando binder ainda, uma dica é fazer sobreposições. Colocar uma roupa por cima da outra, como por exemplo, uma blusa mais larga (mas não larga demais para não dar a impressão de desleixado) com uma camisa xadrez por cima.
Usar cores mais sóbrias também sempre é uma boa. Evite camisas apertadas e tente melhorar a postura. A gente acha que ficando mais corcunda vai ajudar a esconder os peitos, mas na real, isso só prejudica a sua saúde a longo prazo.
Mas e se você já usa binder? Eu usava o da Underworks e ele é extremamente confortável, posso indicar sem medo pra vocês. Mas se o dólar estiver caro demais e você for comprar um binder nacional ou vá você mesmo fazer um, tenha em mente algumas coisas:
ᴾˢˢᵗ: ᴺᵃ ʷᶦᵏᶦ ᵈᵒ ˢᵘᵇ ᵗᵉᵐ ᵐᵃᶦˢ ᵃˡᵍᵘⁿˢ ˡᶦⁿᵏˢ ᵈᵉ ᵇᶦⁿᵈᵉʳˢ ᵉ ᵐᵘᶦᵗᵒ ᵐᵃᶦˢ ᶜᵒᶦˢᵃ
Já que tiramos essas coisas do caminho, posso voltar a falar das camisas. Bom, supondo que você ja esteja usando T e a sua GC já tenha se realocado, você pode usar algo um pouco mais grudado. Supondo que a sua postura esteja melhor, camisas slim ficam sensacionais nesse estágio, por que elas ajudam a esculpir o seu corpo de uma maneira mais quadrada e você parece mais forte e imponente.
Evite usar estampas demais, elas dão uma impressão meio adolescente (a não ser que você seja um adolescente), prefira camisas sem estampas e com cores solidas, por que elas são super versáteis e podem ser usadas com praticamente tudo.

Sapatos e meias:

Em relação a sapatos as dicas continuam as mesmas de todo o resto. Evite cores vibrantes, e se for usar, use com moderação, e balanceando com as cores do resto do seu look. Tem um artigo sobre os tipos diferentes de sapato aqui.
Sobre meias, tem um ótimo artigo falando como usar elas aqui. Mas em suma eu diria para evitar usar meias brancas, com exceção de quando for fazer algum exercício, por que elas servem para isso, e para nada mais. Se eu ver algum homem trans usando bermuda com sapatênis e meia branca aparecendo eu vou ter um treco aqui, hein!
Pra finalizar as coias, quero te dar uma dica simples. Não tenha medo de inovar, de procurar estilos novos que possam ficar bons em você, ou que nem fiquem tão bons assim. Procure provar tudo que você puder, por que geralmente a gente tem que refazer nosso armário todo, então é sensacional poder criar algo do zero, algo que fique bom em você e reflita quem você é.
____________________________________________________________________________
Eu vou falar mais sobre roupas e vou dar algumas dicas mais específicas sobre se vestir (como fazer um nó de gravata, dicas sobre dobrar as mangas da camisa, como usar um terno, estilos diferentes e mais específicos, tipos de colarinho, acessórios, chapéus e etc) num próximo post se vocês quiserem mais deles. Além de falar de muitas outras coisas mesmo. Se alguém tiver alguma dúvida, pergunte nos comentários que eu vou tentar responder com a melhor das minhas habilidades.
Enfim, valeu por ter lido até aqui, e se essa serie continuar, te vejo na próxima!
submitted by MarshKun to transbr [link] [comments]


2017.12.15 15:42 jecagado [Leitura Obrigatória] Resolvi fazer um textão.

Hoje em dia me sinto incapaz.
Não é zoera nem nada do tipo, é que ... Eu lembro que aos meus 8/9 anos de idade, eu já sabia fazer muita coisa em que as pessoas diziam que eu não era capaz.
Jurista americano defende que o regime nazista impediu que os cidadãos se armassem, e que essa medida facilitou a perseguição aos judeus
E apoia sua posição em uma pesquisa que comprova: o governo alemão de Adolf Hitler temia ações populares e fez de tudo para desarmar potenciais adversários do regime, ou pessoas que o Terceiro Reich pretendia perseguir. Ele é um dos mais importantes defensores, nos Estados Unidos, da Associação Nacional de Rifles (NRA, na sigla em inglês), e já advogou, dentro do Congresso americano, a favor do argumento de que a posse de armas é um direito de todo cidadão – afirma isso com base na Segunda Emenda da Constituição do país, que diz: “Sendo necessária à segurança de um Estado livre a existência de uma milícia bem organizada, o direito do povo de possuir e usar armas não poderá ser infringido”.
Sempre tive um bom conhecimento em informática pra minha idade, aos 13 anos eu já conseguia fazer muita coisa com o PC, que muito marmanjo nem sonhava. Eu parecia aprender com muito mais facilidade na infância, hoje as coisas se tornaram um pouco mais difícil. Essa semana eu fui em uma convenção dessas 'nerds' que acontecem por ai, e vi muitas crianças agindo feito adultas. Vi alguns casais homo afetivos, onde a mulecada não aparentava ter mais do que 14 anos (absolutamente nada contra). O que eu quero dizer é que, a falta de contato com o mundo (isso na época onde eu vivi a minha infância/adolescência), me fez acreditar que eu era incapaz de fazer o que eu queria, mesmo eu sendo completamente capaz, entendem ? (e não eu não estou falando de dar o brioco UAHUAH) Lembro que queria fazer um curso de Técnico em informática aos 12/13 anos de idade, ouvi: "Não, você é muito novo pra essas coisas!" Aos 15 quis entrar pra uma academia; "Não seu corpo ainda não está formado ainda!" Aos 16 obtive meu emprego, fiquei MUITO FELIZ, 6 meses depois: "Não, você não precisa trabalhar agora, vai estudar!" (fui obrigado a largar o emprego por escolha dos meus pais) Hoje eu estava avulso no Youtube, e vi um video de uma garota "rebelde" por nome de Danielle Bregoli, conhecida como Bhad Bhabie, uma "trapper" americana de 14 anos, que viralizou ano passado no Youtube, chamando não só a platéia, como a mãe pra briga no meio de um palco de um programa televisivo (desses tipo a "Super Nanni") Após viralizar, ela ganhou muitos seguidores no Instagram, e aproveitando a "fama" repentina, ela resolveu lançar algumas musicas no youtube, e alguns de seus videos (desse ano) chegaram a marca de 52 milhões de vizualizações. Tudo isso com 14 anos de idade. Isso me fez pensar que, o contato com o mundo através da internet, faz a criança /adolescente crer que ele é mesmo capaz de fazer certas coisas as quais os adultos ao seu redor, estão a todo momento os limitando. Toda aquela proteção criada em torno das pessoas com seus respectivos filhos, são mesmo necessárias ? Por que não apresentar o mundo logo para as crianças, ao invés de criar toda uma blindagem a cerca da criança ? Digo ... Eu tenho 23 anos de idade, e eu juro pra vocês que eu estou tendo contato com as pessoas /mundo nessa época da minha vida, eu to começando a entender o que é a vida. As vezes eu me sinto como um adolescente de 15 anos idade de hoje em dia.
Mas a obra também descreve e analisa a legislação alemã, desde o fim da Primeira Guerra Mundial até o auge do Terceiro Reich, que aprovou uma lei de 1938 formalizando a caça a qualquer cidadão que ainda tivesse armas. Nos idos de dezembro de 1922, eu havia conseguido estocar, fora de Munique, quinze metralhadoras Maxim, mais de duzentas granadas de mão, 175 rifles em perfeito estado e milhares de cartuchos de munição”. “No entanto, quantas histórias individuais poderiam ter sido escritas de outro modo?” Afinal, ele afirma em eu livro, “os próprios nazistas viam os judeus armados como suficientemente perigosos para minar sua estratégia de desarmá-los.” Leia a entrevista com o jurista Stephen Halbrook É possível comparar a política de controle de armas do Terceiro Reich com as regras adotadas nos países democráticos do século 21? Manter registros é uma política similar à realizada na Alemanha nos anos 1920, e os nazistas se aproveitaram dessas listas em 1933, quando chegaram ao poder. Nos séculos 19 e 20, o país manteve uma milícia armada, e todos os seus membros – cidadãos civis livres – precisavam manter armas em casa e estar prontos para se mobilizar com agilidade.
Bom, tudo começou quando conheci uma menina no tinder e de imediato rolou uma reciprocidade no aplicativo. Resolvemos passar a conversa no wpp, se conhecer melhor e até marcar um encontro. Ficamos mais ou menos 1 mês conversando sem parar, até surgir o primeiro desintendimento e logo no dia que ela estava mais sensível. Pedi desculpas pelo que eu fiz, ela me perdoou e fomos voltando ao normal aos poucos, quando me dei conta aquela paixão de antes no tinder virou uma amizade. E ficamos assim mais ou menos uns 3 meses, saímos algumas vezes, mas era só uma amizade. O tempo foi passando e percebia que cada vez mais os nossos pensamentos e ideais se combinavam. Nisso comecei a sentir uma atração forte por ela e um desejo de ficar com ela, de ter ela na minha vida. Fui até ela eu disse o que queria, que queria um relacionamento serio com ela. Porém ela disse que era para a gente ir com calma, sem apressar as coisas e ver no que ia dar. Então eu aceitei a resposta dela e ficamos juntos como ficantes, não era apenas uma amizade, mas também não era um namoro, pois havia sentimentos profundos envolvidos. Depois disso passei a frequentar a casa dela, os pais dela mostravam que gostavam de mim e isso me deixava feliz. Estava tudo lindo e maravilhoso, até eu saber ontem que os pais dela falaram muito no ouvido dela, dizendo que a gente não assumia logo, que eu não queria nada com ela, que por eu não ter faculdade não quero nada com a vida. Logo que ela terminou de falar comigo sobre isso, fiquei chateado e puto ao mesmo tempo.
Se você é pai, cara, aproveita o potencial do teu filho. Para de tentar criar uma blindagem de mundo perfeito pro seu filho, porque o mundo não é perfeito. Essas crianças que apoiam o Bolsonaro por ai, não passam de um bando de frustrado ... É mais do que claro que essa molecada vive sob um estado de blindagem criado pelos próprios pais em seus condomínios fechados (eu tenho certeza disso). Ahh ... não sei nem mais o que escrever ... Perdão pelos erros 'hortográficos', to sem paciência até pra redigir um texto bem elaborado.
Então ela fala para mim que devido a isso ela quer dá um tempo, porque está cansada de ouvir os pais falando no ouvido dela. Eu entendi a situação dela, mas e a minha? Será que ninguém liga para os meus sentimentos? Eu sinceramente não sei o que fazer com essa situação toda. Eu quero ficar com ela, mas parece que está ficando complicado. Adoraria ouvir os seus conselhos em relação a este meu caso. Obrigado a todos que leram!
TL;DR : Eu sinto que as crianças são muito subestimadas, até mais do que deveriam, então resolvi fazer um textão.
*Edit: Ajeitei os parágrafos
submitted by jecagado to circojeca [link] [comments]


2017.11.29 20:20 tombombadil_uk Today I fucked up: a estranha sensação de reencontrar um amor do passado 12 anos depois / Parte 3

Galera, finalmente postando a última parte da saga. Depois de pensar para caralho, resolvi falar com ela pelo Facebook e marcamos de nos encontrar num café pertinho da praça onde nos esbarramos. Para quem não conhece a história desde o começo:
Parte 1 - TL/DR: sou casado, reencontrei uma garota por quem eu era apaixonado há 12 anos e só nesse reencontro eu percebi como eu fui um imbecil com ela. Em resumo, nós éramos grandes amigos, eu fiquei com medo de me declarar, meti o pé do curso de inglês que fazíamos sem dar nenhuma explicação e desapareci completamente da vida dela.
Parte 2 - TL/DR: comecei a me perguntar se aquela garota que eu reencontrei realmente era ela, já que ela parecia tão mais velha. Depois de dezenas de tentativas, achei ela no Facebook e sim, realmente era ela. Descobri que um amigo meu já tinha saído com uma prima dela há muito tempo e soube que ela teve uma vida bem escrota, foi abandonada por um marido meio babaca e agora basicamente vivia só pelo filho na casa dos pais.
Parte 3 - Taí. Nos reencontramos. Foi uma experiência que eu não sei classificar. Foi feliz, foi triste. Foi amargo, foi doce. Foi impressionante. A gente chorou um pouco junto. Escrevi um pouco ontem à noite e terminei hoje de manhã.
Só queria agradecer a todos os conselhos e dicas que recebi aqui. Reencontrar alguém do passado é uma coisa que mexe muito com a gente, faz com que nosso coração se sinta naquela época novamente. Essas quase três semanas foram muito estranhas. Foi quase uma viagem no tempo por coisas que eu achava já ter esquecido completamente. Infelizmente não posso dividir muito disso com amigos próximos, então fica aqui o desabafo.
Esse último ficou mais longo do que eu esperava. Honestamente, a gente conversou tanto que acho que resumi até demais. Como da primeira vez, fiz em formato de conto. Novamente, obrigado a todo mundo que deu um help nessa história, que finalmente se fechou.
Era um café bonito. Novo da região, era um daqueles negócios em que você vê o coração de um sonho do dono. As mesas rústicas de madeira, as lâmpadas suspensas que desciam do teto em fios de prata, como teias de aranha tecidas por vagalumes. O quadro negro cuidadosamente preenchido com os preços e até desenhos estilizados de alguns pratos. No fundo, um jazz instrumental marcava presença de forma tênue. Também era um daqueles negócios que você sabe que não vai durar muito. Que você bate o olho e pensa: “com essa crise, é melhor eu dar um pulo lá antes que feche”.
Eu presto atenção a cada detalhe ao meu redor. À roupa preta das atendentes, ao supermercado do outro lado da rua que vejo pela vitrine. Aos clientes que entram e saem de uma loja das Casas Pedro. Eu não quero esquecer de absolutamente nada. Era um ritual meu que fiz pela primeira vez aos 14 anos. Sempre tive boa memória, mas naquela época eu me esforcei para colocá-la inteiramente em ação. Era um verão e eu estava prestes a reencontrar uma prima que, anos atrás, fora minha primeira paixão. Ela nos visitava de anos em anos e, três anos após trocarmos beijos juvenis debaixo do cobertor, ela havia acabado de chegar à casa dos meus avós, onde se hospedaria.
Naquela noite, eu não consegui dormir. Por volta das 4h da manhã, peguei meu cachorro e caminhei 15 minutos em meio à madrugada até a casa da minha avó. Não, não fui fazer nenhuma surpresa matinal ou pular a janela em segredo. Eu apenas fiquei do outro lado da rua e observei tudo ao meu redor. “Eu vou lembrar desse reencontro para o resto da minha vida”, pensei, do alto dos meus 14 anos. “Eu quero lembrar de cada detalhe”.
E até hoje eu lembro. Da rua cujo chão estava sendo asfaltado, mas onde metade da pista ainda exibia os bons e velhos paralelepípedos. Das plantas da minha avó balançando ao vento, o som singelo dos sinos que ela mantinha na varanda e davam àquilo tudo um clima quase de sonho. Do meu cachorro, fiel companheiro que viria a morrer dois anos depois, sentado ao meu lado com metade da língua para fora. Do frescor da madrugada que precedia o calor inclemente das manhãs do verão carioca.
Mas não é dessa memória - e nem dessa paixão - que eu falo no momento. Eu falo dela. Dela, que eu reencontrei depois de tanto tempo. Que eu julgava já ter esquecido. Que, apenas mais de dez anos depois, eu percebi que tinha sido um babaca ao desaparecer sem qualquer despedida. Mesmo que ela jamais tivesse segundas intenções comigo, mesmo que fosse apenas uma boa amiga, eu havia errado. E aquela era o dia de colocar aquilo, e talvez mais, a limpo.
Foram três semanas de tortura comigo mesmo. Desde que achara seu perfil no Facebook e ouvira de um amigo em comum notícias de uma vida triste, seu rosto não me saía da cabeça. Ao menos uma vez por dia, eu pagava uma visita ao seu perfil e mirava aqueles olhos. As fotos, quase todas ao lado da mãe e do filho pequeno, tinham um sorriso fugaz encimado por olhos dúbios, tristes. Eles lembravam-me de mim mesmo. “Você tem um olhar de filhote de cachorro triste, por isso consegue tudo que quer”. “Você parece feliz, mas sempre que para de falar por um tempo, parece ter uns olhos tão tristes”. “Essa cara de pobre-coitado-menino-sofredor é foda de resistir, dá vontade de levar para casa e dar um banho”. Eu já havia perdido a conta de quantas vezes ouvira aquilo das minhas ex-namoradas e ficantes da faculdade. Os dela não eram muito diferentes. Quando ela finalmente apareceu, com sete minutos de atraso, eu pude perceber.
Meu coração parou por uma fração de segundo e depois disparou, como se os sineiros de todas as catedrais que haviam dentro de mim tivessem enlouquecido. Era engraçado como algumas pessoas passavam vidas inteiras sem mudar o jeito de se vestir. Ela ainda parecia com aqueles sábados em que nós nos encontrávamos no curso de inglês: os tênis All-Star, a calça jeans clara, uma camiseta simples - de alcinha, branca e com corações negros estampados - e o cabelo com rigorosamente o mesmo corte. “Talvez por isso que foi tão fácil reconhecê-la, mesmo depois de todo esse tempo”, pensei. Ou talvez eu reconhecesse aquele rosto e aqueles olhos - antes tão vivos e alegres - em qualquer lugar. Eu jamais saberia.
Como qualquer par de amigos que não se vê há milênios, falamos de amenidades no começo. Casei, separei. Sou funcionária pública, ela dizia. O relato do meu amigo, eu descobria agora, não estava perfeitamente certo. Ela não havia se demitido do trabalho, apenas se licenciado por algum tempo. “Fui diagnosticada com depressão”, ela admite, sem muitas delongas ou o constrangimento que tanta gente tem sobre o tema. “Meu casamento estava indo muito mal e eu desabei. Mas agora tá tudo bem”. Não estava, não era necessário ser um especialista para notar aquela tristeza escondida no canto do olhar.
Falei da minha vida para ela também. Contei que a minha ex-namorada que ela conheceu não deu certo e que, naquela época de fim da adolescência e início da vida adulta, eu tinha muita vergonha de falar sobre o que eu passava. Ela praticava gaslighting comigo, tinha crises de ciúme incontroláveis, me fazia sentir um crápula por coisas que eu sequer havia feito. “Você parecia tão feliz com ela”. “Eu finjo bem”, admiti. “E eu tinha vergonha de mostrar para os outros o que passava. Homem dizendo que a mulher é abusiva? Eu não queria que ninguém soubesse”.
Após quase meia hora de amenidades, eu exponho o elefante na sala de estar. Na verdade, quem começa é ela. Quando a adicionei no Facebook, falei que tinha esbarrado com ela na rua e que ficara com vergonha de cumprimentá-la na hora. Mas que queria muito revê-la depois de tanto tempo, tomar um café, falar sobre a vida. “Por que você sumiu?”, ela pergunta, no meio de um daqueles silêncios que duram mais do que deveriam. Eu tremi por dentro, mas não havia como continuar escondendo.
No começo, falei o básico. Que era de família humilde, como ela bem lembrava, e que o parente que pagava meu curso havia descoberto um câncer. Poucos meses depois, eu perdi meu emprego. Tudo isso num intervalo curto, de três ou quatro meses e perto da virada do ano. “Me ligaram do curso e ofereceram um desconto. Eu era pobre, mas sempre fui orgulhoso. Naquela época, era mais ainda. Burrice minha. Se bobear, eles iam acabar me oferecendo uma bolsa”. “Eles iam”, ela responde. “O Francisco - dono do curso - era maluco por você. Você era um ótimo aluno”. Ela dá um gole no mate que pediu. Meu café esfria ao meu lado. “Mas por quê você não falou nada comigo?”, ela continua.
Eu sabia que estava num daqueles momentos em que poderia mudar radicalmente o dia. Porque eu poderia ter mentido. “Eu não falei porque fiquei com vergonha de ter perdido o emprego”. “Eu não falei porque eu estava muito triste: parente próximo com câncer, desempregado, meu relacionamento com uma pessoa abusiva”. Eram mentiras com um pouco de verdade, mas não revelavam o grande problema. Naquele fim de tarde, eu escolhi não mentir. Nem me esconder. E eu já tinha ensaiado essas palavras dezenas de vezes nas últimas semanas.
“Olha, eu não sei se dava para reparar na época ou não. Não sei era muito óbvio, sinceramente. Mas eu era completamente apaixonado por você naquele tempo. Eu passava a semana inteira pensando no dia em que a gente ia se encontrar, trocar uma ideia no curso, caminhar junto até a sua casa. E eu tinha uma vergonha absurda disso. Eu tinha namorada, você tinha namorado e estava para se casar. Então eu achava errado expor aquilo, ser claro. E eu achava que você não gostava de mim. Eu tinha auto-estima muito baixa e esse relacionamento com essa ex-namorada abusiva só piorou as coisas. Eu me sentia um lixo, então achava que você não ia ligar se eu sumisse. Que ninguém ia ligar se eu sumisse. E foi o que eu fiz. Mas, se você quer uma versão curta da resposta, é essa: eu era completamente apaixonado por você naquela época e quis sumir, sair correndo”.
Enquanto eu falava aquilo tudo, a boca dela se abriu em alguns momentos. Às vezes parecia surpresa, às vezes parecia que ela tentaria falar alguma coisa que se perdia no caminho. Eu fazia esforço para olhá-la nos olhos, mas era difícil. Mesmo depois de todos esses anos. Tentei dar a entender com o tom de cada palavra que aquilo era uma coisa do passado, que não me incomodava mais, que agora eu queria apenas revê-la e saber como andava a vida.
O desabafo foi seguido de um silêncio que tornava-se mais pesado a cada segundo. Havia alguma coisa fervendo dentro dela, dava para ver. Foi aí que os olhos dela brilharam mais do deveriam, lacrimejando. Quando vejo aquilo, sinto que o mesmo vai acontecer comigo, mas me seguro. Ela vira o rosto e olha para além da vitrine, onde um ponto de ônibus está lotado com os clientes do supermercado e estudantes recém-saídos de suas escolas, o trânsito lento e infernal. A acústica é tão boa no bar que o caos de fim de tarde do outro lado do vidro parece uma televisão ligada no mudo. Quando ela me olha de volta, vejo que ela não faz qualquer esforço para esconder os olhos marejados.
“E você nunca me contou nada? Nem pensou em me contar?”.
Eu não sei quantos de vocês já ficaram sem notícias de um parente ou de alguém que você ama por muitos anos. Aconteceu comigo uma vez, com uma tia que desapareceu por quase 10 anos no exterior e reapareceu após ser mantida em cárcere privado por um namorado obsessivo. A sensação é estranha. É como descobrir que um livro que você tinha dado como encerrado tinha uma continuação secreta. As memórias de hoje se misturavam com as de 12 anos atrás, da última vez que li esse livro. Ela começou a contar tudo.
Ela, como eu já disse antes, era o meu ideal de felicidade. Casara cedo, tivera filho cedo, empregara-se no serviço público cedo. Era tudo com o que eu sonhava. Eu sempre quis constituir uma família, ter uma vida simples, ter um filho cedo para poder aproveitá-lo ao máximo. Mas a falta de dinheiro e a busca por uma parceira ideal sempre ficaram no caminho, assim como a carreira. O problema é que ela tinha uma vida muito diferente do que eu imaginava, muito mais parecida com a minha à época.
Acho que já deixei claro o quanto eu era apaixonado por ela no passado. Ela não era bonita nem feia, tinha o tipo de rosto que se perde na multidão sem ser notado. Filha de pai negro e mãe branca, era morena e tinha o cabelo liso levemente ondulado, quase até a cintura. Quando éramos adolescentes, ninguém a elegeria a mais bela da turma, mas dificilmente negariam que tinha seu charme. Eu a achava linda.
Mas ela, como eu, era o tipo de pessoa que tinha a auto-estima no fundo do poço. Como eu, também cresceu em um lar bem humilde. Também colecionou desilusões amorosas. E, como todo mundo já sabe, isso te transforma em um alvo perfeito para relacionamentos abusivos. O namorado dela, assim como a minha namorada à época, era muito bonito e manipulador. E ela achava que ele era a única pessoa que gostava dela, o único que lhe daria atenção. E isso fez com que, por anos, ela suportasse tudo que aconteceu entre eles. Traições, brigas, mentiras, chantagens, ameaças de abandono, ciúmes doentios. A história deles dois era tão parecida com a minha história com minha primeira namorada que eu fiquei assustado. Só que, diferente de nós, eles casaram. Eles colocaram um filho no mundo.
Ele só piorou com o nascimento da criança. Ele não era mau com o filho, ela dizia. Era um pai carinhoso, inclusive. Mas o pouco amor e bondade que ele tinha por ela transferiu-se todo para a criança. Vivia para o trabalho, para o filho e para os amigos.
“A gente chegou a ficar sem se falar por meses”.
“Morando na mesma casa e sem se falar?”.
“Sim. Nem bom dia. Nada. Eu me sentia um fantasma”.
Na contramão dele, ela dobrava-se para dentro de si própria. Abandonou a faculdade para cuidar do filho enquanto o marido formou-se com seu apoio fiel. Vivia para o filho e tinha seus problemas conjugais menosprezados pela família. “É coisa de garoto, ele vai melhorar”. “Homem quando acaba de ter filho é sempre assim”. “Vai passar”. Mas não passou, só piorou. As traições recorrentes evoluíram para uma equação desequilibrada de álcool e uma amante fixa no trabalho que ele sequer fazia questão de esconder. Ele anunciou que ia deixá-la, convenceu-a de que era um bom negócio vender o apartamento que eles haviam comprado. Racharam o dinheiro e ele foi viver a vida. Ela voltou a morar com a mãe, agora viúva.
O filho, nitidamente a coisa mais importante daquela mulher, tornou-se a única razão para viver. A pensão que a mãe recebia era baixa, o salário dela também não era bom. A pensão que o marido dava ajudava a manter uma vida extremamente funcional e sem luxos. As roupas eram das lojas mais baratas. Viagens não existiam. O único gasto relativamente alto era com uma escola particular de qualidade para o filho. O resto era sempre no básico.
Contei para ela sobre o meu sonho de casar cedo, de ter uma vida tranquila e estável. Falei que eu admirava muito a vida que ela escolheu no começo, que era a vida que eu queria ter vivido. A grama realmente é mais verde no jardim do vizinho, ao que parece.
“Mas a sua vida parecia tão tranquila, tão perfeita”.
“A minha?”.
“A sua namorada naquela época era uma menina tão bonita, eu lembro dela. Loira, bonita de corpo. Até lembro que ela fazia medicina e ainda era dançarina. Eu achava ela linda, perfeita. E você… você era sempre tão fofinho. Carinhoso e atencioso com todo mundo. Inteligente pra caralho, nem estudava e tinha as notas mais altas em tudo. Todo mundo gostava de você, todo mundo queria ser seu amigo e você nem se esforçava para isso”.
“Eu não lembro disso…”.
“Porque você não se achava bom. Você tinha 16, 17 anos e sentava para conversar de igual para igual sobre cinema e livro com uns professores de 40 e poucos anos. Você parecia fluente conversando com os professores em inglês e espanhol enquanto a gente tentava chegar perto disso. Passou no vestibular de primeira. Você não percebia, mas você era o queridinho de todo mundo. Você não era o garoto malhado bonitão, você era o garoto charmosinho e inteligente que todo mundo gostava. Eu gostava de você também. Gostava mesmo, de verdade. Eu tinha uma paixãozinha por você. Mas eu achava que eu não tinha a menor chance. Eu achava que eu merecia o meu namorado. Que eu era feia, ruim. Que ele estava certo em me falar aquelas coisas”.
“Eu era completamente apaixonado por você”, eu respondo. “Eu pensava em você todo dia”.
Engraçado como as pessoas se veem de maneira tão diferente. Eu me definia de três formas quando a conheci: eu sou gordo, eu sou feio, eu moro num dos bairros mais pobres e violentos da cidade. No dia seguinte, de manhã, eu olharia minhas fotos de 12, 14 anos atrás e me surpreenderia com quem eu via ali. Eu era bonito, só um pouco acima do peso. Com 16 anos, eu já era o barbado da turma antes de barba ser coisa hipster. Na foto do colégio, uma das últimas do terceiro ano, eu parecia tão dono de mim, tão no controle. Eu tinha aquela cara de inteligente e rebelde. Por dentro, eu era completamente diferente. Inseguro, assustado, sem auto-estima alguma e com uma namorada abusiva.
São sete e meia e a noite já começa a cair no horário de verão. Educadamente, uma das atendentes nos indica que a galeria onde o café funciona vai ser fechada em breve. Eu pago a conta e nós ficamos meio perdidos, sem saber o que fazer. Ela ainda tem os olhos inchados, eu também. Os funcionários da loja nos olham de forma surpreendentemente carinhosa, não sei o quanto eles escutaram do desabafo.
Saímos em silêncio do café, ela atendeu a uma ligação da mãe. Minha esposa estava fora do estado e só voltaria dali a alguns dias, então eu estava bem relaxado em relação às horas.
“Não sei se você precisa voltar para a casa por causa do Hugo, mas tem um bar aqui perto que é bem vazio a essa hora. A gente pode sentar pra conversar”, eu digo.
“A gente tem mais coisa para conversar?”. Ela pergunta sorrindo, não vejo nenhum traço de mágoa no seu rosto.
“Claro que tem. Doze anos não se resolvem em duas horas”.
Fomos para um bar pequeno ali perto, um que eu costumava frequentar nos tempos de faculdade. Nos tempos em que eu pensava nela e não me achava capaz de tê-la. Ele pouco havia mudado de 12 anos para cá: a mesma atmosfera que fazia dele aconchegante e levemente depressivo ao mesmo tempo. Era um bar das antigas, com azulejos portugueses azuis e poucos frequentadores. O atendimento era excelente e o preço razoável para a região, mas aquela estética de 40 anos atrás parecia espantar os frequentadores mais jovens. Os poucos que iam lá, no entanto, eram fiéis. Como eu fui no passado.
Nos sentamos no fundo do bar vazio em plena terça-feira e desnudamos nossas vidas um para o outro. “Eu quero saber quem você é”, eu comecei. “A gente falava sobre um monte de coisa, mas eu não sei nada sobre você. Sobre sua família. Sobre sua infância, quem você é. E você não sabe nada sobre mim”. Ela riu. “Você é maluco”. “Não, só quero te conhecer melhor. Compensar por ter sido um babaca há doze anos”.
A conversa foi agridoce. O que mais me assustava era como tínhamos origens semelhantes, desde a família até a criação. Os dois criados no subúrbio do Rio de Janeiro, os dois de famílias humildes que, por conta da pobreza e da necessidade de contar uns com os outros, permaneciam unidas. Primos de terceiro ou quarto grau criados próximos, filhos que casavam e formavam suas famílias nas casas dos pais. Assim como a minha família, a dela investiu tudo que tinha para que ela estudasse em um colégio particular até que eventualmente ela passou para uma escola pública de elite.
Nossas duas famílias tinham essa estranha tradição carioca que mistura catolicismo, umbanda e espiritismo, um sincretismo religioso que eu, como ateu, tenho dificuldade em entender - mesmo tendo crescido nesse meio. Assim como eu, achava-se feia, indesejada na adolescência. Isso fez com que rapidamente trocasse o mundo cor de rosa pelo rock e pelos livros. No meu caso, eu acrescentaria videogames e RPG, mas o resto não mudava muito.
“Na minha escola, tinha muita patricinha, muito playboy. Eu não aguentava eles. E eles sabiam que eu era pobre, então não se misturavam muito comigo”. Contei a minha versão para ela. “Eu gostava de ler, RPG e jogar videogame. Mas eu era muito pobre, fodido mesmo. E isso tudo era coisa de gente com grana na época, né? Então eu acabei ficando amigo dos nerds na época por conta dos gostos comuns. Eu tive sorte, demoraram a perceber que eu era pobre. Eu tenho toda a pinta de gente com grana, essa cara de europeu que engana. Quando perceberam que eu era duro, foi só no segundo grau. Ali eu já era um pouco mais cascudo, tinha bons amigos”. Ela não.
Era tudo tão igual que, em dado momento, eu parei de falar que havia sido igualzinho comigo. Eu esperava ela terminar a parte dela. Falava a minha. E intercalávamos nossas histórias, os dois surpresos com as semelhanças. Provavelmente a grande diferença era a vida dela após ter o filho e abandonar a faculdade. Ela trabalhava em uma repartição pública onde tinha 20 anos a menos do que a segunda funcionária mais nova, se afastou dos amigos. Era estranho conversar com ela. Não usava redes sociais praticamente, apenas para trocar mensagens com parentes distantes e mostrar fotos do filho para eles. Não via séries, não tinha Netflix - só novelas. Não conhecia bandas novas, não era muito de ir ao cinema. Era uma sensação estranha, mas parecia que boa parte da vida dela tinha parado em 2006 ou 2005. Os hábitos dela e poucos hobbies pareciam os de uma pessoa de 50 e poucos anos.
Me doeu imaginar o que poderia ter sido, o que poderíamos ter feito juntos, como poderíamos ter sido bons um para o outro. Pensei na minha esposa, que tem um perfil familiar radicalmente diferente do meu. Ela vem de uma família de classe alta, só com engenheiros e funcionários públicos de elite. O mundo dela era muito diferente do meu, tão diferente que às vezes me assustava. Famílias que não se falavam e que, mesmo endinheiradas, brigavam por herança e cortavam laços de vida por conta de bens que eles não precisavam. Todos católicos ou evangélicos, sem exceção. No máximo um ou outro ateu escondido no armário, como eu.
Essa diferença nos causava estranhezas, pontos de atrito que me surpreendiam. Quando eu elogiava a decoração de uma festa, ela falava do preço e da empresa que a produziu. Ela sentia uma obrigação social em aparecer em eventos familiares ou do círculo social deles, de ser e parecer uma boa esposa. Eu só queria estar onde eu estava afim e quando eu estivesse afim, nunca vi a família como uma obrigação social. Eles discutiam herança entre irmãos com os pais bem vivos, nós nos preocupávamos em fazer companhia à minha mãe quando meu pai morreu. Já era meio subentendido que abriríamos mão de qualquer coisa e deixaríamos tudo para minha mãe, tendo direito ou não.
Havia uma preocupação com patrimônio, normais sociais e aparências que, por muitas vezes, me assustavam. Muitas vezes ela parecia desgastada ou enojada com isso também, mas fazia porque alguém na família tinha que fazer, porque era tradição, porque sempre foi assim. Eu assistia àquilo atônito, impressionado como uma família tão numerosa quanto a minha - com literalmente dezenas de primos e tios até de terceiro grau que moravam em um mesmo bairro - era tão mais simples e unida do que uma dúzia de endinheirados que pareciam brigar por coisas fúteis.
Ela, que estava ali do meu lado, não. Tudo que ela me contava soava como uma cópia fiel da minha família, apenas em escala ligeiramente menor. Pensei em como as coisas seriam simples ao lado dela, despreocupadas, tranqulas. Que eu não passaria a vida sendo julgado pela família da minha companheira como o ex-pobre com pinta de hipster que conseguiu ganhar algum dinheiro, mas não tem muita classe nem é muito cristão, como nos últimos anos.
As palavras que saíram da boca dela depois de uns dois ou três copos de cerveja poderiam muito bem ter sido lidas do meu pensamento. “Você acha que a gente teria sido um bom casal? Que a gente ia se dar bem?”.
“Não tem como saber”, eu respondi. “Mas a gente pode imaginar”. E a gente começou a brincadeira mais dolorosa da noite, imaginando como seria se tivéssemos ficado juntos 12 anos atrás.
“Eu jogava videogame para caralho, você ia se irritar. E eu ia te pentelhar para jogar comigo”, eu comecei.
“Eu gostava de videogame, só não jogava muito. Eu ia te arrastar para show da Avril Lavigne e da Pitty, você não ia gostar”.
Eu sorri. “Eu não tenho nada contra as duas”.
“Britney e Justin Timberlake também”.
“Porra, aí você já tá forçando a barra, amor tem limite”.
Falamos sobre meus primeiros estágios, sobre como eu era maluco e fazia dois estágios e faculdade ao mesmo tempo. Saía de casa às cinco da manhã e voltava às onze da noite. Tudo para conseguir ter uma grana legal, já que na minha área os estágios eram ridiculamente baixos. Ela falava sobre a rotina de estudos para concurso, sobre como foi difícil conciliar a faculdade - que ela eventualmente abandonou por causa do filho - com o recém-conquistado emprego público. Eu falava do meu início de carreira, que foi bem melhor do que eu jamais imaginara, como subi rapidamente. Como eu achava estranho ganhar a grana que eu ganhava - que não era nada extravagante, garanto - mas meus hábitos simples faziam com que eu mal gastasse metade do salário. Ela falava da depressão que tomou conta dela ao perceber que estava num emprego extremamente burocrático e ineficaz, deixando-a incapaz de buscar outras alternativas. Falamos sobre a morte dos nossos pais, que parecem ter conspirado para falecer no mesmo ano.
Em algum momento, a cabeça dela repousou no meu ombro. Eu não soube o que fazer. Pensava apenas na minha esposa, em jamais ter traído ela nem nenhuma outra mulher. Foi aí que eu percebi que ela chorava e, novamente, eu chorei também.
“É engraçado a gente ter saudade de algo que a gente não teve”, eu disse, lembrando de um livro que eu li há muito tempo.
“Acho que a gente seria um casal do caralho”, ela disse, com um inesperado sorriso entre as lágrimas.
“Ou talvez a gente se detestasse e desse tudo errado, a gente nunca vai saber”.
“A gente nunca vai saber”, eu repeti, mentalmente. Como um vírus, a ideia se espalhou dentro de mim rapidamente. “Eu posso fazer uma diferença na vida dessa mulher, na vida do filho dela, na própria família dela. Eu posso ter uma vida mais tranquila ao lado dela, sem essas picuinhas de família rica. Minha esposa pode encontrar um homem muito melhor para ela. Um cara rico, cristão e que tenha a classe e pose que a família dela tanto quer. Isso pode acabar bem para todo mundo”.
Mas não podia. Lá no fundo, eu sabia que não podia. Eu tinha quase uma década de história com minha esposa. Eu tinha um casamento plenamente feliz atrapalhado por alguns poucos problemas familiares e inseguranças minhas. Tínhamos uma química ótima, gostos parecidos para livros e filmes, nos dávamos bem na cama. Valia a pena jogar aquele relacionamento tão bom e funcional - algo que me parece cada vez mais raro hoje em dia - por uma aventura fugaz? Um remorso do passado? Em um relacionamento com uma estranha que eu estava voltando a conhecer havia algumas horas?
“Você nem a conhece”, dizia a cabeça. “Ela é igual a você”, dizia o coração.
No fim das contas, eu segui a cabeça. Conversamos até quase dez da noite. Pegamos um Uber e fiz questão de deixá-la em casa, um prédio pequeno em um bairro abandonado do subúrbio. Quando o carro parou, ela se demorou um pouco do meu lado e, por impulso, eu segurei a mão dela. Ela me encarou assustada e ansiosa. Eu pensei em beijá-la, em ligar o foda-se e jogar tudo para o alto ali mesmo. Mas eu só desci do carro com ela na rua deserta e caminhamos juntos para dentro do prédio, sem saber exatamente o que a gente estava fazendo. Pedi para o motorista me esperar e disse que depois acertava uma compensação com ele.
“Eu vi o seu Facebook. Você é casado com uma mulher linda. E inteligente. Você não vai me trocar por ela. Nem eu quero acabar com o seu casamento”.
“Você acha ela linda e inteligente?”.
“Você sabe que ela é”.
E então eu desabafei. Falei que passei as últimas semanas reavaliando meu casamento e meu futuro, encarando a foto dela no Facebook de tempos em tempos. Que meu coração quase parou quando encontrei-a pela primeira vez. Que eu gostava de tudo nela. Da dedicação como mãe, da simplicidade, dessa aura de pessoa correta que ela exalava sem fazer esforço, desse espírito suburbano e familiar que ela tinha. Dos olhos dela, tão animados no passado e tão tristes agora. De como eu estava me segurando para não beijá-la naquele dia todo.
“Você é linda. Eu sei que você se acha feia, eu sei que você acha que ninguém vai se interessar por você. Mas você é uma mulher foda, e nem preciso subir para saber que você é uma mãe foda, uma filha foda. Não deixa a vida passar. Eu tenho certeza que tem mais gente que, igual a mim, já percebeu isso em você e não sabe como falar. Não faz de novo a mesma coisa que a gente fez lá atrás. Eu só queria que você soubesse disso porque eu acho que você merece ser muito mais feliz do que você é agora. E você não tem ideia de como você me deixou maluco esses dias todos. Eu sou bem casado com uma mulher linda sim, mas só de encontrar você eu tive vontade de jogar tudo para o alto”.
Foi um monólogo mais longo do que eu esperava. De novo, ela chorou. Dessa vez, eu contive as lágrimas. O abraço que partiu dela foi um dos melhores e mais tristes que já ganhei na minha vida. Havia ali uma história de amor não vivida, saudades de uma história que jamais colocamos no papel, de um mundo que nunca existiu. Ela me apertou forte e eu sentia minhas mãos tremerem.
Encostamos as laterais do rosto um do outro, aquele prenúncio de um beijo adiado. E que tive que usar todo auto-controle do mundo para manter adiado. Me afastei, olhei nos olhos dela, sorri e fui embora. Quando o Uber saiu, ela ainda estava parada na portaria e minhas mãos ainda tremiam.
Eu não sei se essa história acaba aqui ou não. Mas eu tenho quase certeza que sim. Algum dia eu vou contar tudo isso para a minha esposa, mas vou esperar esse sentimento morrer primeiro. Eu conheço ela o suficiente para saber que, em um bom momento, ela não ficaria triste com essa história. Eu até consigo imaginar a reação dela, repetindo a frase que ela me diz desde que a gente casou. “Eu te conheço. Você não vai me trair com alguma gostosona oferecida por aí. Se alguma coisa acontecer, você vai se apaixonar por alguém. Eu te conheço, você é romântico. Mas a gente se resolve”.
Quando cheguei na minha casa vazia, sentei e escrevi quase tudo isso de uma tacada só. Sem revisão, sem pensar muito. Eu acho que eu poderia escrever dezenas de páginas sobre os detalhes da conversa, mas isso aqui já está longo demais. Antes de dormir, eu vejo que tenho uma mensagem no Whatsapp.
“Foi muito bom encontrar você”.
Toda aquela tentação de falar algo mais grita dentro de mim, se debate.
“Foi bom te ver também :) “.
Por via das dúvidas, coloquei o celular em modo avião e suspirei. “Eu tô feliz ou triste?”, me perguntei. Parece uma pergunta simples e relativamente objetiva, mas eu não soube responder. Eu custei a dormir, com medo de sonhar com ela. Quando eu acordo no dia seguinte e me preparo para ir ao trabalho, a impressão que eu tenho é de que tudo foi um sonho. Vê-la, reencontrá-la, chorar, abraçá-la.
E, como quando a gente acorda de um sonho triste, eu volto a viver minha vida normal para esquecer. Hoje tem reunião com cliente. À noite, preciso pegar minha esposa no aeroporto.
submitted by tombombadil_uk to brasil [link] [comments]


2017.09.25 21:45 botafora01 Sinto que a minha vida já está traçada

Desde já peço desculpas pela muralha e pelo throw away
OK, desde o Ensino Médio eu sofria com algo que eu imagino 90% do Reddit sofreu: não conseguia pegar sequer resfriado. Era extremamente zoado pela sala toda por isso (meus amigos até hoje dizem que eu sou o único da turma que nenhuma mulher chegou), cheguei até a apanhar por isso. Só fui perder meu BV no meu ano de calouro na faculdade e a minha virgindade quando fui num bordel. Eu ficava triste com isso, mas também estava esperançoso: afinal, era um adolescente, estava entrando na faculdade, e todos sempre me louvavam por, segundo eles, eu ser muito inteligente. A menina que eu gostava na época, e que até hoje é uma amiga (e que eu passei a maior vergonha da minha vida, ao me declarar pelo fucking MSN), vivia brincando dizendo "O nerd de hoje é o cara rico de amanhã". Boas memórias.
Chegou 2013, e eu entrei na faculdade. Não fui maravilhosamente bem no ENEM, mas consegui uma bolsa integral em Administração em uma bela universidade. Escolhi Adm por pensar que o mercado estava bom e por ser noturna, o que me permitiria trabalhar. Nesse período, perdi meu BV e fiquei com outra menina uma vez, num espaço de 9 meses. Pra mim, isso era o ápice, eu era o deus da conquista, mesmo que meus novos amigos me zoassem de "pega ninguém" do mesmo jeito. Nessa época, eu baixei o Tinder e conheci o meu primeiro namorico, vamos chamar de Ana. Ana morava a 3h30 de viagem, então era praticamente um namoro à distância. Ficamos algumas vezes, 3 meses depois começamos a namorar e, depois disso, ela passou o mês seguinte dando desculpas para eu não ir lá. Chegou fevereiro, veio o carnaval, e ela disse que estava passando mal. Foi para o hospital e detectaram leucemia. Óbvio que eu pirei, queria ir pro hospital dela de todo jeito, mas ela nunca deixava, dizia que os pais me viriam, iria arrumar encrenca, ela iria ver um momento que estivesse sozinha. Se passaram 5 meses nesse tormento, hora ela dizia que estava boa, hora dizia que estava mal, quimio e afins, até que meus amigos de sala fizeram uma intervenção comigo, mostrando que não havia nada em rede social nenhuma dela a respeito de câncer, mostrando que ela estava postando normalmente sobre coisas cotidianas e que era a maior retardadice do mundo eu não ter ido nenhuma vez ver ela. Eu fiquei meio balançado, até porque meus pais concordavam com este ponto de vista, mas fiquei meio irregular com ela. Pouco mais de um mês depois disso, ela disse que tinha tido alta, tinha encontrado um ex, tinha ficado com ele e queria terminar. Não lamentei muito, até porque isso ocorreu em um espaço de uma semana, no máximo. Terminei e, desde então, ouvi dela duas vezes na vida. Passou.
Vale mencionar que, nesse meio tempo, a minha vida em casa havia melhorado demais: durante meu período de Ensino Médio, minha adolescência se resumia a passar finais de semana com minha mãe em bares, vendo ela entrar quase em coma alcoolico com as amigas e outros finais de semana na casa do meu pai, vendo ele ficar bêbado e chorar no meu ombro sobre ele ser um fracassado que não conseguiu sequer manter um casamento. Quando eu terminei, minha mãe já estava mais centrada (como está agora), saindo ocasionalmente e socialmente, e meu pai parou de beber após enfartar e voltou a ser o cara extremamente trabalhador que eu sempre admirei. No fim do meu primeiro ano de faculdade, eu passei a estagiar em um instituto federal. Ao mesmo tempo do término que eu disse acima, eu fui chamado para um concurso temporário, em outro órgão público, bem mais perto de casa.
Poucos meses após eu terminar com a Ana, entrou em cena a pessoa que eu, de fato, considero como a única que eu namorei. Vamos chamar ela aqui de Beatriz. Beatriz me chamou no Facebook, para brincar sobre uma postagem que eu havia feito (já havíamos tido pequeno contato ainda no colégio), e daí começamos a conversar. Dois meses depois, ficamos e, 5 meses depois, começamos a namorar. Ela perdeu a virgindade comigo e, na prática, eu também perdi com ela (transei com prostitutas umas 4 vezes antes. Fiz exames, por precaução, e não deram nenhum reagente). Eu aprendi demais a me aceitar com ela, nós tínhamos a mesma personalidade, ela era a primeira pessoa que não só não me julgava por meus interesses, como me incentivava a seguir eles. Não me cobrava nada, eu não cobrava nada dela, mas conversávamos de forma quase ininterrupta das 7 até meia noite. Com ela, no entanto, eu descobri algo que já havia visto antes nos bordeis: não sei o que me causa, mas com certeza eu tenho ejaculação precoce. Fui em um urologista, que me disse que era algo psicológico, que eu só precisava "me desligar". Tentei os exercícios que o próprio Reddit indica, mas nunca funcionava. Usei camisinha anestésica 2 vezes: uma vez foi uma maravilha, na outra estourou e eu traumatizei. Sempre me sentia extremamente culpado e furioso comigo mesmo após cada fim de penetração, mas o que atenuava era a presença dela, que sempre me dizia que não ligava, que eu conseguia deixar ela no céu somente com as preliminares, que não ligaria de passar por isso por não sei quanto tempo. Tudo que eu me julgava errado, ela me mostrava que não ligava. Eu me sentia num porto seguro com ela, e isso me impulsionava na faculdade: eu imaginava que iria me formar em um emprego na iniciativa privada, sem "data de validade" como meu emprego temporário, e que, 1 ou 2 anos após isso, estaria casado com ela. O único motivo de discussão que tínhamos era que ela tinha total ojeriza de tornar público: não podia postar nada com ela no Facebook, não podia atualizar status de relacionamento, não podia ir conhecer os pais dela, que "iriam proibir completamente". Mesmo os amigos eu só vi 2 vezes (uma outra vez eu não pude ir por motivos profissionais). Eu sempre entendi que isso era um receio dela, então, mesmo um pouco frustrado, eu aceitava. No que eu terminei minha monografia, estava preocupado com a questão do mercado, mas nada demais. Até que veio o dezembro, 1 ano e 4 meses após começarmos a ficar.
Eu estava na faculdade, pegando os convites de formatura, quando ela mandou o tradicional "precisamos conversar". Resolvemos por texto mesmo: ela disse que gostava de outra pessoa, e que se sentia culpada namorando comigo com interesse em outro. Aceitei, triste, e demos um tempo. 2 dias depois, um amigo me manda uma foto no perfil de um rapaz, que era o mesmo que ela gostava: ambos deitados, ela de top e ele sem camisa, e uma descrição bem...insinuante. Óbvio que eu pirei, liguei para ela, tivemos uma baita discussão, mas, depois disso, esfriou. Acabamos nos vendo, e ficando de novo. Ela terminou com o rapaz, mas ainda jurava de pés juntos que aquela foto era uma coincidência, que ela não havia me traído, que jamais faria isso, que era íntegra. E ficamos uns bons 3 meses indo e voltando até que, em abril, ela me mandou um testamento contando tudo: numa segunda, ela estava na casa de uma amiga, com este rapaz e o cara que a amiga estava pegando. A amiga e o peguete dela começaram a dar uns amassos no local e, segundo ela, ela não conseguiu "resistir" e montou no cara. Uma traição espetacular, que até hoje eu uso como humor auto depreciativo. Fiquei em choque por um tempo, mas, contra os conselhos de todos, perdoei ela e voltamos a namorar. Mas não era a mesma coisa. Ainda era maravilhoso por um aspecto, mas, por outro, ela estava insegura com o relacionamento (dizia que se sentia culpada por ter "estragado tudo por um impulso") e eu estava inseguro com tudo, precisava de validação dela pra tudo, principalmente no que tangia sexo. Eu já era inseguro sexualmente antes, agora era 3x mais, então eu basicamente a induzi a me contar toda a experiência sexual dela com ele, até eu me sentir menos perdedor. No entanto, eu estava começando a me recuperar em junho, estava me reencontrando, entendendo que estava apertando ela desnecessariamente (uma amiga teve essa conversa esclarecedora comigo). Então, tanto como solidificação como um pedido de desculpas, eu planejei uma viagem para nós, no dia que ficamos pela primeira vez, que cairia num sábado. Disse para ela os planos, ela ficou elétrica, empolgada, começou a me mandar links do local, brincar com meus planejamentos e afins...e, na semana seguinte, pediu para terminar. Disse que nunca esteve certa sobre nós termos voltado, que ela ainda me amava, que ainda sentia tesão comigo, mas que não se sentia pronta para um relacionamento sério, e "não queria me magoar". Aceitei, até mantive o contato, pq, nesse meio tempo, ela virou a minha melhor amiga. Mas o mesmo amigo da vez anterior me mandou um print de uma conversa dela com a irmã dele, dizendo que tinha terminado por estar afim de outro cara, e eu reconheci o sujeito: era um cara que ela falava horrores bem dele, "ah, fulano fez isso, fulano fez aquilo, me ajudou com x, um cara foda, faz não sei o que". Não sei se ela me traiu, mas tal conversa era de 1 dia e meio após termos terminado, e ela já havia ficado com tal cara. Não sei se ela me traiu de novo, mas a confrontei (não falei do meu amigo, obviamente, disse que a vi na rua) e ela manteve que não me traiu, mas que, dessa vez, poderia ficar com quem quisesse pq "fez a coisa certa". Eu disse que não conseguiria conversar com ela enquanto ainda tivesse sentimentos, ela disse que entendia, mas que queria saber de mim, que eu ainda era "o melhor amigo" dela.
Isso faz um mês e meio. Eu não consigo deixar de me sentir mal. Eu podia ter feito tanta coisa melhor, mas não fiz. Ela me traiu, possivelmente duas vezes, e tudo que eu consigo fazer é me culpar. Eu só não a chamei ainda pq imagino ela ficando com esse cara, que é melhor que eu em tudo: mais bonito, com uma barba farta de lenhador, com uma carreira já estabelecida, carro na garagem, mora sozinho e afins. O que me leva ao lado profissional: a sala da faculdade se reuniu para um churrasco há 3 semanas, estávamos conversando sobre empregos e eu concluí algo: apesar de que eu (e eu sei quão arrogante isso soa) ter feito que metade da sala ganhasse um diploma, eu sou o único dali sem um emprego minimamente fixo e tenho um salário que é o menor de todos, com vantagem. Todos falam que eu vou ganhar 3k, 4k logo, mas eu já cansei de tomar portadas de empresas. Gasto com passagem, gastei com um terno novo, gravata, e tudo que eu consegui foram muito obrigados, mas uma parcela da minha sala que literalmente não consegue entender que 50% e 0,5 são a mesma coisa (eu tive que ensinar manualmente regra de 3 simples e cálculo com números decimais quando estudamos Matemática Financeira) estão em empregos bons na iniciativa privada, comprando casas e carros. E, de todos ali, só uma me arrumou entrevista na empresa dela (que eu não consegui, principalmente por dita empresa estar num processo de fusão). Quatro conversam ocasionalmente, e o resto só entra em contato pedindo para que eu faça para eles provas de inglês de processos seletivos ou provas da faculdade (para os que ainda não se formaram).
Eu estou fazendo Contabilidade agora, vendo se consigo recomeçar, mas estou extremamente desiludido. Não sei o meu problema, mas o que eu imaginava quando entrei na faculdade não aconteceu. Eu sou um total fracassado no mercado de trabalho, e dificilmente vou conquistar algo além de pular de trabalho em trabalho de escritório, para tirar 2 salários e soltar rojão de alegria por não estar desempregado. Na verdade, eu já imaginava algo nessa linha desde o último semestre, mas, além da esperança mínima, eu carregava que iria ter uma família. Alguém me aceitava, alguém me amava. Hoje, eu vejo que nem isso. Nesse mês e meio pós-término, eu percebi como meu stock está horrorosamente baixo. Ouvi diretamente de uma estranha (no Tinder, vale dizer) como eu sou "feio, com cabelo estranho e roupas deprimentes". A maior parte dos meus amigos disse que eu vou achar alguém, mas só uma amiga me apresentou para alguém (Spoiler: eu quis levar pra amizade pq esta pessoa demonstrou 0 interesse romântico em mim, mas temos muitas afinidades de gostos. Não quero que alguém legal se perca só por não querer abrir as pernas pra mim em qualquer futuro).
Então, qual a conclusão? Para relacionamentos, eu sou a tempestade perfeita: meus gostos não são nada pop, meu estilo de roupa desagrada geral, minha voz é deprimente, eu sou lerdo, distraído, amo entrar em rants gigantes quando me empolgo (vide este texto) e, mesmo que alguma garota um dia resolva passar por isso tudo, o prêmio dela será ter de viver com sexo oral recheado por 30s de penetração, num dia bom. Nenhuma mulher no mundo quer se relacionar com um homem que precise fazê-la ter um orgasmo com masturbação pq não aguenta chegar a 1min de penetração. Ou seja, eu até posso tropeçar em alguma peguete (sim, essa é a palavra, tropeçar. Um incidente do acaso, como foi com a minha ex), mas nenhuma jamais chegará a ser de longo prazo. Dificilmente eu terei uma família. E, sem uma família, não há nada para contrabalancear o fato de que eu sou um fiasco profissional. O "menino gênio" do colégio, o "cara que vai ganhar 7000 daqui 3 anos" da faculdade nada mais era que uma pessoa com um par de neurônios no meio de um grupo de pessoas com bases educacionais mais fracas que a minha e, principalmente, sem interesse algum em estudar. Numa sala focada, eu teria de me esforçar para estar no meio do pelotão. Eu sou mediano intelectualmente e, profissionalmente, sou um lixo que não conseguiu fazer networking na faculdade e, hoje, irá ter de viver de escritório em escritório, sem nenhum breakthrough.
Minha vida parece estar desenhada para ser a definição de um fiasco, de um total e completo desperdício de oxigênio. Mas eu tenho uma missão: cuidar dos meus pais. Ambos dependem demais de mim psicologicamente, ambos me amam mais do que qualquer outra coisa. Sem a minha presença aqui, a vida dos dois colapsaria. Sinto que eu só vim ao mundo para ser o pilar da vida de ambos. Então, eu tenho que ir empurrando a minha vida enquanto ambos estão vivos, tentando ao máximo não embaraçar eles mais. Decidi que vou viver a vida no limite nesse meio tempo: finalmente comecei a fazer academia (minha postura sempre foi torta e, nos últimos 2 meses, eu ganhei peso. Quero eliminar essa pança antes que ela vire um problema), fui ao Maracanã mês passado ver a ida da Copa do Brasil (sou de MG), devo receber uma indenização boa quando sair daqui e estou planejando um mês de curso de inglês na Europa (meu inglês é bom, mas não é perfeito e isso sempre me incomodou horrores, sem falar que conhecer a Europa é O sonho que eu tenho de vida). Será o meu maior highlight, e a única loucura que eu me permiti fazer. Quando voltar, vou fazer o que gosto e, mais importante, vou cuidar dos meus pais, de tudo que eles precisarem de mim.
Não sei o que o futuro reserva pra mim, mas, pensando com lógica, eu devo chegar nos meus 35/40 anos quando ambos meus pais falecerem. Quando isso acontecer, serei um solteiro entrando na meia idade, possivelmente com pouca experiência sexual que não envolva garotas de programa, num emprego pouco satisfatório e sem nenhum amor que tenha sido recíproco e que não acabe na mulher se cansando de um cara patético e percebendo que praticamente qualquer coisa é melhor que eu. Será covardia, alguns sentirão tristeza, mas será temporário, todos irão superar, e haverá um pouco mais de oxigênio no mundo.
A minha mente ainda tenta, em alguns momentos, achar alguns cenários de ilusão, de que algum milagre irá acontecer, mas não irá. Eu sei que não. Profissionalmente eu fracassei. Academicamente eu fracassei. E, amorosamente, eu também fracassei. Vi que não basta achar alguém que aguente a minha personalidade, ela não irá suportar alguém que trata preliminares como Evento Principal, e eu irei morrer com esta condição.
Por mais paradoxal que seja, pensando assim eu estou aprendendo a abraçar o que eu gosto. Eu gosto de ler. Eu gosto de sair para comer e voltar para casa. Eu gosto de esportes. Eu gosto de escrever. Eu gosto de viajar. Não vou mudar o que eu gosto pelos outros, até porque será inútil, resolver um sintoma não cura a doença, e não há remédios o bastante para curar todos os sintomas dessa doença chamada eu. Fico feliz pelos meus pais existirem, pq, se não fosse por eles, eu teria sido um fiasco absoluto em vida. Fico feliz pelo meu último namoro, pq eu nunca me senti mais feliz do que numa tarde de sábado, quando ela disse "te amo" pouco antes de cochilar no meu peito. Eu fui feliz com o amor, e, por causa dela, eu aprendi que todo relacionamento que eu entrar, obrigatoriamente, terá um fim unilateral. Eu vou ser feliz com meus outros desejos, concluir meus hobbies, fazer o que eu gosto, e cuidar de quem me ama incondicionalmente, até o fim deles. Dali, serei eu que terei meu livramento.
Eu precisava contar isso pra alguém, mas não quero que tratem isso como um pedido de ajuda, pq não é. Meu real objetivo de vida sempre foi ter uma família minha, ter um filho em uma casa estruturada e passar meu conhecimento adiante. Eu já sei que, por questões psicológicas e físicas, isso jamais acontecerá. Quando meus pais se forem, eu literalmente não terei mais o que fazer aqui e, se tudo der certo, eu terei realizado ao menos uma parcela boa dos meus outros sonhos. Eu estou tranquilo quanto a isso. Talvez ainda sinta, de novo, a dor de ver alguém me trocando por outra pessoa melhor, mas agora eu sei que isso acontecerá. Doerá menos, eu espero. E, se nem isso eu conseguir, bem...dois salários por mês dá para pagar por sexo.
De novo, desculpem pelo texto gigante.
tl;dr: Todos confiavam em mim, todos achavam que meu futuro seria brilhante. Meu futuro será medíocre, patético e, ao menos, tem uma data para acabar
submitted by botafora01 to desabafos [link] [comments]


Estatuto da Criança e do Adolescente para Concurso - Poder Familiar Conselho Tutelar emite autorização para adolescente estudar a noite? Conselhos para a juventude atual - De Castigo pra sempre 8 Conselhos para Alcançar a PAZ interior é a Tranqüilidade PROVA DE CONSELHEIRO TUTELAR - QUESTÕES COMENTADAS Uma excelente ideia para as Classes Pre-Adolescentes, Adolescentes Vencedores e Juvenis! ADOLESCENTES QUERENDO NAMORAR

Dicas de filmes para adolescente Lovely dream

  1. Estatuto da Criança e do Adolescente para Concurso - Poder Familiar
  2. Conselho Tutelar emite autorização para adolescente estudar a noite?
  3. Conselhos para a juventude atual - De Castigo pra sempre
  4. 8 Conselhos para Alcançar a PAZ interior é a Tranqüilidade
  5. PROVA DE CONSELHEIRO TUTELAR - QUESTÕES COMENTADAS
  6. Uma excelente ideia para as Classes Pre-Adolescentes, Adolescentes Vencedores e Juvenis!
  7. ADOLESCENTES QUERENDO NAMORAR

Veja que incrível esse menino dando conselhos para Alcançar a paz interior e a tranquilidade. ... Conheça a CARAS BANK ... A Máquina de Vendas Online é uma opção para iniciantes que desejam ... Nesse vídeo apresento uma série de redes sociais que apresentam pré-aulas, fóruns, espaço para compartilhamento de ideias e subsídios para as aulas de EBD pa... Conselhos para a juventude atual - De Castigo pra sempre ... se esconde em uma misteriosa torre, acaba sendo feito refém por Rapunzel, uma bela e esperta adolescente, dona de um enorme cabelo ... A prof. Eri Bernardino liberou uma parte de uma das aulas dela gravada originalmente para o curso preparatório para concurso Saúde Mental- Fortaleza do www.canaldoassistentesocial.com.br Nesse ... qual a idade certa para namorar? ... 5:25. frases que uma garota cristà nunca deveria falar - duration: 5:03. fabiola melo 2,099,721 views. 5:03. ... tipos de caras de quem vocÊ deve fugir ... Aula com questões comentadas de provas para o cargo de Conselheiro Tutelar com base no Estatuto da Criança e do Adolescente. Dicas Infalíveis para concursos ... Neste vídeo o palestrante Luciano Betiate fala sobre a necessidade, ou não, de emissão de autorização especial para adolescente ser matriculado no ensino not...